segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

PEDRA DO ÍNDIO NA CIDADE DE VARJOTA – CATEDRAL DA ARTE RUPESTRE - CAPELA SISTINA DA PRÉ-HISTÓRIA DO CEARÁ – UMA MARAVILHA COM PAINÉIS DE DESENHOS QUE PRECISA SER VISITADA – ESTUDADA E PRESERVADA!

Arte rupestre no painel principal no interior da gruta da Pedra do Índio
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

 A CHEGADA – LOCALIZAÇÃO DA PEDRA DO ÍNDIO:  Na tarde de 26/01/2013, por volta das 14:00h, chegava à Pedra do Índio, na cidade de Varjota, Ceará, 240km de Fortaleza, via Canindé, Santa Quitéria...acompanhado de dois professores de história do Município, que levam seus alunos de vez em quando, professor Antero Silva e Lamberto Castro, também com Mara Paula, que auxiliou na captação de imagens.   A pedra é belíssima. Fica à 05 km da sede do Município. 02 km via asfalto e calçamento, cerca de 03 km em Estrada de Terra. Localiza-se em propriedade particular, na fazenda Santa Terezinha. Para quem se desloca da cidade de Varjota para Reriutaba, fica do lado direito, entre o asfalto e a Rio Acaraú. A Pedra do Índio se localiza entre dois riachos, Riacho das Flores e Riacho Ingu, que se unem a 01 km abaixo da Pedra do Índio, formando o Riacho do Saco, que deságua 05 km abaixo no Rio Acaraú. Segundo informações, os riachos nascem na Chapada da Ibiapaba, paredão com mais de 80 km de comprimento e com lugares de mais de 900 metros acima do nível do mar. Uma muralha de montanhas que separa o Ceará do Piauí, de forma que as águas naquela região, que caem do lado do Ceará, correm para o Rio Acaraú. Já as águas que caem do lado do Piauí, alimentam o grande Rio Parnaíba. 

Veja documentário sobre esse verdadeiro templo pré-histórico - produção independente de Valdecy Alves:



A Pedra do Índio fica num lugar elevado, à beira de uma lagoa, que enche em períodos invernais. De forma mais simplificada trata-se de uma gigantesca mesa arredondada, que de um lado tem uma forma de pedra de anel e de outro o formato de um tubarão, sobre duas bases, formando uma gruta. Além da gruta, a Pedra tem 03 lados que ultrapassam suas bases. Formando abas. Tem inscrições rupestres no interior da gruta que forma e em  duas das abas, a da frente e a do lado para quem contempla a pedra de sua frente. Uma obra da natureza que provoca de imediato admiração e encantamento, pois é enorme, bela, parecendo ter sido obra de algum arquiteto humano. Tal beleza fascinou de pronto o homem pré-histórico, como me fascinou. É ADMIRAÇÃO À PRIMEIRA VISTA! Parece produto de milagre ou magia. À beira de um lago, com gruta, foi transformada numa catedral, numa Capela Sistina, com belíssimos desenhos em 03 painéis, que encantam, que maravilham, seja pela quantidade, seja pela variação dos temas, seja pela beleza. Captei imagens para um pequeno documentário, que em breve editarei e publicarei no Youtube. Mais um lugar ignorado pela IPHAN.

Professor de História Lamberto Castro no Interior da Gruta da Pedra do Índio
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

Pedra do Índio - Vista Lateral - Uma visão impressionante da grande rocha sobre duas bases
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)


Parte Traseira da Pedra do Índio - Entrada da Gruta
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

Parte Frontal da Pedra do Índio - Construção Impressionante da Natureza
Transformada em Catedral pré -histórica - Capela de Sistina do Sertão
Com os Professores de História de Varjota:  Antero Silva e Lamberto Castro
Que podem ser contratados como guias daqueles que quiserem visitar o local
(Foto: Mara Paula - Se copiar citar a fonte)
 PEDRA DO ÍNDIO – FORMAÇÃO ROCHOSA QUE DESPERTA ADMIRAÇÃO E ENCANTAMENTO À PRIMEIRA VISTA:  Como já dito, estando de frente para Pedra do Índio, de costas para o Rio Acaraú, o seu formato é espetacular, desperta a imaginação. PARECE UM TUBARÃO SAINDO DO MAR, EMERGINDO DO INTERIOR DA TERRA. O primeiro painel foi pintado embaixo da suposta boca do tubarão. Sofrendo desgastes pelas águas da chuva. Há poucos desenhos do primeiro painel. Cobertos por marimbondos. Até sua parte traseira a Pedra deve estender-se por uns 15 metros. O espaço compreendido entre as duas bases que sustentam o gigantesco matacão formam a parte mais interna, uma gruta com cerca de 07 metros de comprimento e três metros de largura. Em alguns pontos cabe uma pessoa de pé. O teto da gruta foi utilizado num dos lados para pintura do maior, mais belo e mais preservado painel. Cores magníficas, com os mais variados temas. O terceiro painel, na aba lateral da pedra está mais ou menos conservado. Como está sujeito a ventos e chuva, está um pouco apagado. É o segundo melhor preservado.

Visão da Magnífica Pedra do Índio - Espetacular!
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

Valdecy Alves - na Lateral da Pedra do Índio - Gigantesca
(Foto: Antero Silva - Se copiar citar a fonte)

Valdecy Alves - na frente da Pedra do Índio - Magnífica
Parece um tubarão emergindo das profundezas da terra
(Foto: Mara Paula - Se copiar citar a fonte)

Visão lateral da Pedra do Índio - na Frente dela forma-se uma lagoa nos tempos de chuva
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

Vários humanos dançam em forma de ciranda - braços dados-  pernas abertas - movimento
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)
 DA ARTE RUPESTRE NA PEDRA DO ÍNDIO E POSSÍVEIS SIGNIFICADOS: Em cores vermelhas vivas, geralmente a tinta é uma mistura de sangue, saliva, argila, etc. No mínimo  com mais de 6.000 anos, criação do homem pré-histórico brasileiro. Ali está o quotidiano daqueles homens em desenhos em forma de animais (zoomorfos), plantas (fitomorfos), pessoas (antropomorfos), artefatos de pesca, paisagem local e desenhos geométricos, que podem ter os mais variados significados. Há o sol, há luas, demonstrando que tinham conhecimento de astronomia. Por ficar à beira de uma lagoa, esta também consta entre os desenhos da  gruta. Há ciranda de pessoas dançando de mãos dadas. Pode-se aferir que se tratava de um lugar de pescaria em época de cheias e de rituais religiosos. Há desenhos indecifráveis. Mas muitos dos símbolos geométricos são similares a símbolos da arte rupestre do Sertão Central do Ceará, do Estado do Piauí, Minas Gerais e Santa Catarina. Demonstrando alguma ligação cultural entre os povos. Mesmo que os símbolos geométricos possam ter adquirido diferentes significações. O que é difícil de averiguar. Mas isso não é tema pra mim, sou leigo, mas para os arqueólogos, que devem urgentemente estudar tal sítio arqueológico pouco conhecido, pouco valorizado. Mas de valor  histórico e cultural inestimáveis.

Inseto - 08 pernas - Desenho Zoomorfo no teto da Gruta
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

Desenhos geométricos - Podem ter cunho religioso
Os traços abaixo podem contar dias
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

Teia de Aranha que pode representar rede de pesca - Desenho comum em regiões de povos
pré-históricos pescadores- Á esquerda da rede desenho de um homem
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

Traços que podem contar dias
Os círculos cortados por traço pode ter cunho religiosos ou podem representar peixes
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

O sol e seus raios - Pai da vida na terra - há vários sóis desenhados na Pedra do Índio
Tinham conhecimento de astronomia e eram também agricultores
Sempre há sentimento religioso ligado ao sol
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

Desenho geométrico - quadrados - a ser compreendido o seu significado
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

Vários desenhos geométricos na arte inferior do painel
Na parte superior várias pessoas de mãos dadas dançam
Algum culto religioso ao sol - às águas ou à vida
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

Em primeiro plano - Desenhos geométricos
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

O sol em toda a sua glória e beleza
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

Valdecy Alves sob o painel principal - bem no interior da gruta
(Foto: Mara Paula - Se copiar citar a fonte)

Mara Paula - sob o painel principal
(Foto: Valdecy Alves)

Desenhos geométricos sem explicação - Pode ter cunho religioso
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)
 
Outro sol - À direita do sol desenhos de pessoas dançando de mãos dadas
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

Rede de pesca - à direita um inseto - quase apagado
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

Desenho maravilho que mostra as ondas da lagoa e um homem lançando uma rede
Atividade de Peca
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

Desenho do Sol no centro cujos raios se transformam em contagem de dias
Talvez os dias que os homens permaneciam pescando - deviam morar no alto da Chapada da Ibiapaba
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

Imagem das ondas do lago - tendo à frente um desenho geométrico que precisa ser compreendido
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

Visão geral do painel principal na parte mais interna da gruta
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

Desenhos no painel - parte da frente da Pedra do Índio
Sujeitoa chuvas - quase apagados - Cheio de marimbondos
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

Visão dos desenhos geométricos - Devem ter cunho religioso
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

Desenho de planta - fitomorfo - painel lateral da Pedra do Índio - Fora da gruta
Exposto às chuvas - Tem que ser protegido - Está-se  apagando
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

Sol e desenhos geométricos - painel lateral da Pedra do Índio - exposto às chuvas
Tem que ser protegido - Estão-se  apagando
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

Valdecy Alves - painel lateral da Pedra do Índio - exposto às chuvas
Tem que ser protegido - Estão-se  apagando
(Foto: Mara Paula - Se copiar citar a fonte)

Geométricos - painel lateral da Pedra do Índio - exposto às chuvas
Tem que ser protegido - Estão-se  apagando
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

Círculos concêntricos - painel lateral da Pedra do Índio
Podem ter cunho religioso ou representar galáxias
Tem que ser protegido - Estão-se  apagando
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

O sol - painel lateral da Pedra do Índio - exposto às chuvas
Tem que ser protegido - Estão-se  apagando
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

Desenhos geométricos - podem ter cunho religioso
Painel lateral da Pedra do Índio - exposto às chuvas
Tem que ser protegido - Estão-se  apagando
(Foto: Valdecy Alves - Se copiar citar a fonte)

ARTE – SENTIMENTO – RELIGIOSIDADE – POR ISSO DEVE SER  ESTUDADA E PRESERVADA: Sem dúvida que é arte pura. Os desenhos são de autoria de um ou de vários habilidosos artistas, que fez questão de deixar registrada a visão que  ele e seu povo tinham da natureza, do viver, do céu com sua lua e com o sol magnífico, pintado várias vezes. Há beleza, há sentimento. Fez os desenhos da mesma forma que Michelangelo, gênio florentino, pintou a Capela de Sistina em Roma, deitado. 

Sem dúvida que há o respeito religioso, presente nas formas geométricas, que significam o abstrato, por isso muitas vezes o inexplicável. A cena de pescaria com rede, sendo jogada na lagoa, pode ter significado mágico propiciatório, isso é, o desenho teria o poder de prender as almas dos peixes e propiciar futuras pescas com grande sucesso.O homem moderno dar margem ao seu sentimento religioso construindo grandes basílicas e catedrais. O homem pré-histórico tinha o mesmo sentimento e encontrava formações fantásticos, que fascinavam pelo mistério que suas visões causavam e nelas vivam seus sentimentos religiosos, desenhando como a que a técnica da época permitia. MAS COM O MESMO SENTIMENTO DO CATÓLICO QUE REZA OLHANDO PARA CIMA, PARA O TETO DA CATEDRAL EM JUAZEIRO, CANINDÉ, MECA OU ROMA. Pedindo a mesma coisa, saúde, alimento, emprego, vida. A PEDRA DO ÍNDIO É UMA CATEDRAL, UMA CAPELA DE SISTINA, UM MUSEU A CÉU ABERTO.  Permite compreender aquele povo, nossos ancestrais, cuja parte do DNA corre em nossas veias. Mostrando a cultura do nordestino desde os tempos imemoriais, seu amor pela vida, pela dança, pela música, trabalho, sua fé. Sua admiração pelas forças da natureza, sobretudo pela beleza do céu. Por isso deve ser visitada, estudada e preservada. É mais um tesouro da cultura cearense, do Nordeste, do Brasil, da Humanidade.

4 comentários:

Edilson Martins disse...

Sua sensibilidade e seu amor pela ARTE o faz o ser humano admirável! Preocupado sempre com preservação da história e da cultura da humanidade, tanto de nossa terra como de outras culturas.... Parabéns Dr. Valdecy.

Creuza disse...

Belíssima fotos de registro pré- histórico que caracteriza a Tradição Nordeste,é muito importante essa divulgação para a sociedade, para que tem a consciência de se preservar para as sociedades futuras.

Anônimo disse...

Essa magnifica obra da naturea ficou ainda mais completa com a ação do homem Pré - Histórico. Conheço o lugar e é realmente encantador. Poderia se tornar um ponto turístico do município de Varjota, basta ter um pouco de incentivo dos porderes públicos estadual e municípal.

Wescley Castro

jesouhaite disse...

Belissimo registro da pedra do índio, estamos vendo seu post eu e minha mãe, que é filha adotiva da proprietária original da fazenda, D. Minervina Araujo Loiola. Minha mãe é nascida e criada neste local, e cresceu brincando nessa pedra, ela tem muitas saudades e sempre conta muitas histórias. Penso que um lugar assim nem deveria ser propriedade privada, talvez devesse se tornar sitio arqueológico, não? Por ter tanta arte rupestre, isso deveria ser estudado e catalogado direitinho, para quem sabe ter um trabalho de preservação. Do jeito que está, nas mãos de quem está, essa pedra corre risco até de ser implodida, por estar "atrapalhando". Ficamos tristes só de pensar. :(
De qualquer forma, parabéns pelo post, é muito bom saber que tem gente que valoriza e mostra essas riquezas.

Related Posts with Thumbnails