domingo, 9 de agosto de 2015

A BESTA FERA DE 32 - SOBRE OS CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO NO CEARÁ - UM CORDEL ESCRITO A PARTIR DO RELATO DE VÁRIOS SOBREVIVENTES DA CONCENTRAÇÃO DO PATU EM SENADOR POMPEU - CEARÁ - O HORROR - A CRUELDADE... QUANDO BRASILEIROS MATARAM BRASILEIROS... O HOLOCAUSTO BRASILEIRO

A ferrovia para morte
Mapa da Rede de Viação Cearense ao Longo dela 6 campos de Concentração
Estação do Otávio Bonfim no alto - outrora Matadouro (destino dos flagelados do sertão em Fortaleza)
Abaixo: estação do Campo de Concentração do Patu chegada de víveres - partida de flagelados
Acervo: Variado e de Valdecy Alves
UM CORDEL ESCRITO SOBRE O CAMPO DE CONCENTRAÇÃO DO PATU - NA SECA DE 32 - EM SENADOR POMPEU - APÓS O POETA OUVIR DEZENAS DE SOBREVIVENTES - UM RELATO FIEL AO IMAGINÁRIO POPULAR - À TRADIÇÃO ORAL - NÃO À HISTÓRIA COMO CIÊNCIA: No ano 2000, anos após ouvir vários relatos de sobreviventes do Campo de Concentração do Patu, curral da morte erguido pelo Governo do Estado do Ceará e pelo Governo Federal, na Seca de 32, em Senador Pompeu, repetindo experiência da Seca do Quinze (imortalizada por Raquel de Queiroz)  e da Seca de 1877 a 1879 (narrada com maestria por Rodolfo Teófilo no seu livro "A Fome") resolvi escrever um cordel fiel às narrativas, forma, estilo épico e fantástico com que ouvi a narrativa dos sobreviventes. Muitas vezes estava ao lado de jornalistas (Jornal O Povo, O Estado de São Paulo, Diário do Nordeste...) emissoras de TV (Jangadeiro, Globo, Band, Verdes Mares, Record, documentaristas...) nos depoimentos dados durante as antigas e primeiras Caminhadas das Seca. Podendo narrar entre os muitos sobreviventes com quem convivi, ouvi e acompanhei suas fantásticas narrativas: Seu Mauro da Lindoia, Seu Zacarias do Pavãozinho, o Casal Dona Maria e Seu Guilherme, do Alto do Bode, que se conheceram no Campo de Concentração,  Dona Luíza, Dona Carmélia, Seu Felix Aristides e tantos outros... 

A FOTO ACIMA É REVELADORA E CAPAZ DE SI MESMA COMPROVAR O TERROR VIVIDO PELOS FLAGELADOS - RETIRANTES - CONCENTRADOS - MOLAMBUDOS... COMO ERAM CHAMADOS PELA MÍDIA DA ÉPOCA:  Tem-se o mapa ferroviário da linha Sul (Fortaleza-Crato), que cruzava todo o Estado do Ceará, que pertenceu à antiga RVC (Rede de Viação Cearense). Dos 07 Campos de Concentração da Seca de 32, 06 deles foram construídos ao longo dela, o que é fácil de entender, pois cruzava o Sertão Central, região mais pobre e afetada pela Seca de 32. A linha ferroviária se estendia de Fortaleza ao Crato, na Fronteira com Pernambuco. Eis os 06 campos de concentração erguidos ao longo da linha férrea, que foi transformada em linha da morte na Seca de 32, usando o trem, mesmo transporte usado pelos nazistas:

1) Campo de Concentração de Buriti -               Crato
2) Campo de Concentração de Cariús -              Carius
3) Campo de Concentração do Patu -                 Senador Pompeu
4) Campo de Concentração de Quixeramobim - Quixeramobim
5) Campo de Concentração do Otávio Bonfim-  Fortaleza
6) Campo de Concentração do Urubu -                Fortaleza

O sétimo Campo de Concentração funcionou na cidade de Ipu, na Linha Norte do Ceará  (Fortaleza-Oiticica), para que os miseráveis do Inhamuns, região muito afetada pela seca, não cruzassem para Fortaleza. Assim, os 07 campos de concentração funcionaram como uma muralha, uma espécie de muro da vergonha, para evitar que os molambudos, os cassacos invadissem Fortaleza como fizeram na Seca de 1915 e sobretudo na Seca de 1877.  Em Fortaleza eram descarregados na Estação do Matadouro, depois conhecida como Otávio Bonfim, porta de entrada para o  Campo do Alagadiço, primeiro Campo de Concentração do Estado do Ceará.  Fica hoje perto da Bezerra de Menezes, ao lado do 3º Distrito Policial. VEJAM BEM, AO LADO DE UM MATADOURO. UM ABATEDOURO DE ANIMAIS. CLARO QUE PERTO DA CARNIÇA E DE URUBUS. Depois, parte dos flagelados, eram deslocados para o Campo do Urubu, no Pirambu, de onde de navios, eram exportados para Amazônia ou Sudeste do Brasil. Como mão de obra barata. A MURALHA DA VERGONHA QUE FORAM OS CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO DO CEARÁ FUNCIONARAM MUITO BEM NA SECA DE 32, tanto que os Campos de Concentração de Fortaleza foram o que recebeu menos concentrados. 1932 A SECA EM QUE O CEARÁ COM AJUDA DO GOVERNO FEDERAL, EM PLENA REPÚBLICA, APERFEIÇOOU ESSA FERRAMENTA CHAMADA CAMPO DE CONCENTRAÇÃO, QUE FOI CRIADA DESDE A SECA DOS TRÊS SETES, AINDA NA ERA IMPERIAL, QUANDO MENTIRAM PARA OS NORDESTINOS COM A CONCENTRAÇÃO DO AÇUDE DO CEDRO EM QUIXADÁ, que raramente sangra. Após a Seca de 32 já podiam vender a experiência para os alemães, se quisessem. Tanto governo estadual, como federal, há mais de meio século desenvolvia o Holocausto Cearense, que de 1932 para trás, sem dúvida, poderia contabilizar quase meio milhão de vítimas. Experiência com DNA de monarquista e republicanos.

Reportagem do Jornal O Povo de 25/05/1932
foto: Acervo Valdecy Alves
O CORDEL NASCEU DOS RELATOS POPULARES E DA SANTIFICAÇÃO PELO POVO DOS MORTOS DO CAMPO DE CONCENTRAÇÃO DO PATU- EM SENADOR POMPEU - AS SANTAS ALMAS DA BARRAGEM - SANTO COLETIVO QUE OBRAVA E OBRA MILAGRES PARA O POVO POBRE: Que "Deus está morto" para ricos e filósofos, disso ninguém tem dúvida, como anunciou Nietzsche. Mas para os pobres, sobretudo os que recebem a esmola do Bolsa Família, Deus não apenas está vivo, como PRECISAM DE MAIS DEUSES pois a necessidade demanda por messianismo e milagres, onde o Poder Público, antes assassino pela ação, melhorou, transformando-se em assassino pela omissão, embora a corrupção dos que governam seja a mesma. 

CRESCI EM SENADOR POMPEU, ouvindo os relatos, desde a mais tenra infância, de milagres das Almas da Barragem do Patu. Acompanhei familiares pagando promessas no Cemitério da Barragem. Onde foram enterradas as inúmeras vítimas que sucumbiram à peste no Campo de Concentração do Patu, em Senador Pompeu, em 32. O nome Patu vem do Rio e da Serra que existem no local, que mais adiante deságua no Rio Banabuiú, que deságua a centenas de quilômetros no Rio Jaguaribe. Confesso que o que mais me fascinava eram as histórias de assombração que ocorriam no local, denominadas de visagens. QUE FASCINANTE! Todos temiam se aproximar daquele local santo, em meio à mata. TEMIDO, VENERADO, RESPEITADO. Era essa minha visão, que só compreenderia o que ocorreu ali, anos mais tarde. ABAIXO EXEMPLAR DA SEGUNDA EDIÇÃO DO CORDEL "A BESTA FERA DE 32" QUE NARRA SOBRE O CAMPO DE CONCENTRAÇÃO DO PATU, NA SECA DE 32, EM SENADOR POMPEU, Ceará, com todos os versos. QUEM UTILIZAR OS VERSOS, FAVOR CITAR A FONTE:


Cordel de Valdey Alves
Capa: Pintor Erasmo Carlos


Meu Irmão desse planeta
Preste atenção vou  contar
Usano a minha Caneta
O que se deu no Ceará
Num terrive palco  dor
Lá no Sertão Central
Cidade de Senador
Na seca do grande mal


Peço inspiração à lua
Vigor das ondas do mar
A força da terra nua
Das serras cortano o ar
Mistero das entidade
O poder do deus antigo
A solidez da lealdade
A malícia do inimigo




A benção do Padim Ciço
A firmeza de Lampião
A eficaça do feitiço
A força de Frei Damião
Pra bem contar essa saga
Muito triste e de gran risco
Quero a fúria de Corisco
A voz de Luiz Gonzaga

De mãe-d’água, gira, gira...
A ciença de caipora
Quero o horror de curupira
Da seipente toda glora
A força do lobisome
Mula da cabeça o fogo
Toda a maliça do home
Pra enfeitar meu verso em jogo

Proteção, Beato Lourenço
Abençoai-me beata Anália
Iluminai o que penso
Livrai-me da feia mortalia
Santos de Pedra Bonita
Penada almas de Canudo
Penitente que em dor grita
Promesseiro em fé... mudo

Ocorreu em trinta e dois
Na beira do rio Patu
Com o povo que  adepois
Virou janta de urubu
Lhe digo, amigo meu
Nos versos desse poema
Houve em Senador Pompeu
Local do grande problema

Vencero então, os ingleses
A  tal da licitação
Pro longo de muitos meses
Encher dágua o sertão
Fazeno a grande parede
No mei do rio Patu
Vê se acabavam  a sede
Do vale Banabuiú

Chegaro então engenheiro
Explodiu a dinamite...
Multidão, muito dinheiro...
Sem regras e sem limite
Ciença, tecnologia
Homens eram os milhares
Trabalho de noite e  dia
Pra ver o fim dos pesares

Da lombada no espinhaço
Surgiu comprida vila
Favela, mundo-bagaço
Ao pé da serra tranquila
Mais no alto o casarão
E mais outro, outro mais
Morada da outra nação:
O inglês, o capataz....

A vila toda de taipa
Casas mais de quinhentas
Formano esquisito mapa
Rude, estranho, deferente...
Enquanto os casarões
Da mais  fina arquitetura
Pareciam ser mansões
Rino do pobre em agrura...

Assim formado o tal palco
Para grande construção
O pó das pedras em talco
Sucedia a cada explosão
Fazia-se prisão pra água
Os braço de tantos home
Vê se findavam a mágoa
Sonhano matar a fome

Começou em dezenove
Findano só em vinte e três
Questão que inté me comove
Contar o feito do inglês
Sumiu deixano pra trás
Toda a enorme estrutura
Levou dinheiro demais
Da fome e misera a cura

Então-se tava acabado
O palco de trinta e dois
Ano de terrive seca
Dali nove anos depois !
A água pra seca espantar
Migrou pros olhos do povo
Que voltou a enfrentar
A velha seca de novo

Mal findava trinta e um
O sertanejo com fé
De não ter problema algum
Sobrar a comida inté
Acreditava em inverno
No ano novo que adentrava
Nem sabia que o inferno
Aos pouco se aproximava

Viera as primeira chuva
E já preparado o chão
A semente em cova luva
Arroz, milho e feijão
Mas acabou-se a neblina
O vento o céu nublado
Gota sequer pequenina
Caiu no sertão tostado

Primeiro veio um medo
Seguido da esperança
Tudo mistero, segredo
O home virava criança
Achano que era castigo
Aquela nova estiagem
Invisive o inimigo
Rezava ao pé da imagem

Nem reza, nem esperança
Resolvero o gran problema
A matar perseverança...
A seca era o grande tema
Secou cada um dos açude
A terra logo rachou
Mais velhos diziam:  mude !
O sertão silenciou

Começou a emigração
Pras bandas lá do Sudeste
Amazona, Maranhão
Todos fugino da peste
Era como  a própria morte
Explodira no sertão
Melhor nos braços da sorte
Que ficar naquele chão

Era gente nas estrada
Em cima de caminhão
Na vereda, na chapada
Na serra, no lajeirão
Home, muié, até cachorro
Criança só de montão
Diziam: vou mas num morro
A míngua no meu sertão

E o sertão antes tão calmo
Parecia formigueiro
Reza, oração e salmo
Nada abrandava o braseiro
A terra mais parecia
Um forno todim em brasa
Atrás do mormaço em dia
Tremia: serra, mata, casa...


A falta d’água sentia
Até a mãe natureza
O rio que antes sorria
Tristonho sem correnteza
As planta toda sem foia
Em pleno mês de abril
Não, ninguém tinha escoia
Os bicho fora do cio !

Mas se faz um comentaro
Que é pra ninguém esquecer
As ave, as planta, meu caro
Nada ali ia morrer
Via-se que num orava
Que sem botar pé no chão
Todos eles escapava !!!
Havia estranha lição...

Fazenderos preocupado
Com a tal situação
Reunir padre, delegado
A direita, a oposição
A continuar como tava
Só eles iam sobrar
Era o que se comentava
No sertão do Ceará

Era preciso impedir
A fuga da sequidão
Dizia capitão Valmir
Primo de Sebastião
Fazendeiros muito ricos
Conhecido em todo  Estado
Mandava até nos milicos
Do prefeito ao deputado

O sertão se assanhou
De Mombaça a Quixadá
Tauá, o Sul se abalou
Aracati, Tianguá...
Pro povo num ir embora
Fizero concentração
Está escrito na histora
Do livro do sabidão

Lá em Senador Pompeu
No mei do sertão central
Acredite, amigo meu
Mulher, menino, animal
Chegavam a cada dia
Descalços de pé no chão
Magros,barriga vazia
Para tal concentração

Assim a vila de barro
Os casarões dos ingleses
A pé ou vindo de carro
Recebiam seus fregueses
Da barragem o fantasma
Perdido nas amplidão
Fome, sede, mortal asma
Naquela grande prisão

De Pedra Branca a Ipu
Solonópole a Milhã
Acopiara, Iguatu,
Mãe, filho, pai, irmã
Gente de todos os lado
Chegar na concentração
Ali teria o agrado
Dalguma alimentação

O trem ia ao local
Trazeno o feijão carroz
Comida pra animal
Diziam tempos depois
Era a maior aflição
Era a maior agonia
Ali na concentração
Quem entrava num saía

Milhares de seres vivos
Em tão pequenino espaço
Os sadios mais ativos
Pareciam feitos de aço
Vei o piolho o flagelo
Raparo todas cabeça
Assim sem algum apelo
Diziam: Me obedeça !

Os sacos do mantimento
Logo viraram roupão
Num tinha divertimento
Só a grande multidão
Toda  de branco vestida
Sem cabelo home  e muié
Tudim igual na vida
Como amiga só a fé

Teve a misera em Canudo
Teve ano setenta e Sete
Onde morreu quage tudo
Velho, bebê o pivete...
E teve a seca do quinze
Aí vei trinta e dois
E por mais que tudo acinze
Seca há de voltar depois

Então o que há de errado
Culpado  o tempo num é
Se o bicho bruto acanhado
Escapa  mesmo sem fé ???
É de se pensar no caso
Fazer uma reflexão
Isso pra num se dar aso
À fome, à sequidão

Comecou a mortandade
De fome até repentina
Veio logo a orfandade
Do menino e da menina
Um aqui, outro acolá
Logo, logo às dezenas
Morreno e a lamentar
Até chegar às centenas

Com tanta misera e fome
No sertão de Senador
Chamado curral da fome
Por quem não tinha pudor
Aos ricos causou vergonha
Fecharo até cemitero
Diante falha medonha
Enterraro  sem critero

Na própria concentração
Faziam enorme valado
Faminto o seco chão
Devorava o flagelado
O céu sem nuvem, azul
A vala no alto do morro
Se fartava o urubu
Se empanturrava o cachorro

O cemitero é retângulo
Ao pé da Serra Patu
Frente a usina triângulo
Jardim do mandacaru
Cercado dum alvo muro
Todo fincado de cruz
A invadir o futuro
Onde possa existir luz !

Muro em forma de quadrado
Grande cruzeiro na frente
Na verdade é um valado
Onde se enterrou mil gente
O resgate da memora
Do povo de mau destino
Deve seu entrar pra histora
Ao saudoso Padre Albino

Local de muitas lendas
E de perigrinação
Destino de muitas sendas
Catedral da oração
Visitado pelo ateu
Lugar sagrado,  ô irmão
Lá de Senador Pompeu
Jóia do belo sertão

Ali sob o céu azul
Morada da branca nuvem
Palco do negro urubu
Muitas historas surgem:
Visagens da meia-noite
Gritos e lamentação...
As cruzes alvos de açoite
Dos ventos da assombração !

Sempre tem velas acesa
Gente pagano promessa
O altar bem simples mesa
Onde a fé logo se  acessa
Cego lá voltou a ver
Mudo aprendeu a falar
Morto voltou a viver
Toda a graça a se alcançar

Pra lá vai a procissão
Pessoas do povo, fiéis
Pés ao milhares no chão
Turistas e menestréis
Cantano salmos e hinos
Da época de trinta e dois
Velhas, homens e meninos
Sob o forte sol algoz...

Maria perdeu Miguel
Toninho ficou sem pai
Raimundo sem Estael
Tanto lamentos e ai !
Tava  a tragédia armada
A doença a se espalhar
Toda gente abandonada
A se enterrar... se enterrar..

Ai de quem fosse fugir
Se não morto seria preso
Foi assim que o Valdir
Dum tiro restou bem  teso
Nos braços do seu amor
A morrer se lastimano
Os gritos delas de dor
São visage ecoano

Além de todos lamentos
No local se vê té luz
Gritos vindos com os ventos
Até já viram Jesus
Muita gente alcançou graça
No cemitero tão triste
Mortos sem nome e da raça
Do tal do home que existe

Manhã de segunda-feira
Sepultaro uma criança
Sofrera a semana inteira
De escapar sem esperança
Teve o fígado arrancado
Tal demais mortos dali
Lançada ao fundo valado
Com ar de estranho sorrir

Casarões abandonados
São estranhas testemunha
Dos tristes tempos passados
Vividos a ferro e unha
A barragem concluída
Lá pelos idos de oitenta
Pouco mudou a vida
Vira nuvem quando esquenta

Casarões são majestosos
Há cinco casas pequenas
Galpões sem telhas vultosos
Outros em ruínas, Atenas !
Alvenaria nordestina
Mesclada com européia
Há uma gótica usina
Que atrai grande platéia

Ali num falta turista
A de se encher de emoção
Elogiam até o artista
Que enfeitou o sertão
Tudo desde trinta e dois
Desafio a ser preservado !
Tem Dezenove Dois, Dois
Lutano pra ser tombado

Seu Mauro sobrevivente
O triste fato narrou
Seu Zacaria inteligente
Muito também contou
Assim tantos que escaparam
Narrano a olhar pro chão
Os horrores que enfrentaram
Campo de concentração

Ás águas não são usadas
Cobraram caro tributo
Tantas vidas flageladas
Sob aquele viver bruto
Antes morriam de sede
Diziam: não tem água !
Que se vai lém da parede
No home represa-se a mágoa

Só restou mesmo a fé
E da seca a caminhada
Pra onde todos vão a pé
Multidão emocionada
Em memorar todos mortos
Sempre vou bem me alembro
Trilhos são veredas tortas
Todo santo mês  novembro

Dor, fome, ai, sofrimento
Flagelo,   morte, doença
Tortura, grito, tormento
Temor, angústia descrença
Enterro, lamento, choro
Saudade, órfãos, viuvez
Sede, azar, mal, fei agoro
Carniça, cadáver-vez...

Um cabra dum caminhão
Meia-noite por lá passava
Solitário e a sensação
De que todo se arrepiava
Viu um flagelado em luz
Chorano pra seu espanto
Fazeno o sinal da cruz
Pois fim a todo encanto

Há quem veja luz azul
A subir do mei do chão
Há quem oiça sururu
Nas trevas da escuridão
Escutam choro e gemido
Vozes no mei da mata
Horrives sons e latidos
Chuva de ouro e de prata

Ousei invadir Camões
Falar de histora e de fé
A narrar sobre os sertões,
Patativa de Assaré,
Perdoem-me a ousadia
De trilhar seu Universo
Funesta epópéia que um dia
Encantou-se em meu verso

Pra falar da seca louca
Ocorrida noutra era
Grito, lamento, voz rouca
Diante da besta-fera
Não se sabe se do céu
Castigo por pouca fé
Se do inferno de Escarcéu
Se é bicho de dois pé

Sabe-se que ela existe
Que num tem nem coração
E ai daquele que insiste
Em fazer sonegação
A besta é mermo terrive
Bota mermo é pra matar
Ao pobre morte horrive
Ao rico mais enricar

O terrive fato histórico
Tá no imaginar do povo
Invadiu mundo folclórico
Assunto do velho e o novo
Já foi de teatro tema
Do cantar, televisão
De pintura, de cinema
De ciença e religião

Só que a grande imprensa
Só fala da mortandade
Parece que ela só pensa
Passar infelicidade
Houve sonhos destruídos...
Amores mortos, cristão,
Amanhãs interrompidos
Loucuras e perdição...

Certamente não há culpa
Da boa mãe natureza
O real nada desculpa
Do que crê só na moleza
Se os brutos tão a viver
No reino da sequidão
O que se pode dizer
Do homem-pai, revolução ?

Ou muito pouco aprendeu
Aprendeu num sabe usar
O eleito prefeito seu
Pouco sabe administrar
Nessa Deus é inocente
A natureza também
Hão de entrar no afiado dente
Os que só dizem amém !

Na era do computador
Na geração do foguete
No domínio do aviador
Vamo deixar de falsete !
Era do conhecimento
Auge da tecnologia
Não se admite o tormento
Da fome, seca, vazia...

Foi escrito pra vocês
Pra lembrar todo ocorrido
Pra ver se num tem mais vez
Pra jamais ser repetido
É preciso mudar a histora
E construir novo dia
Pra ver se um tempo a memora
Só comente de alegria

Quisera haver paraíso
Que houvesse também um céu
Pra falar e de improviso
Esse pequeno cordel
Pros mortos lá da barragem
Que lá deveriam estar
Vítimas da bandidagem
Das secas do Ceará


Versos do Cordel  " A BESTA FERA DE 32" com fotos da Caminhada da Seca - Vídeo com direção de Mara Paula:

2 comentários:

Evandro Silva De Castro disse...

Estou impressionado com seu trabalho, fico contente em ver que tem gente interessada na preservação , na historia e outros movimentos culturais, quero muito lhe falar pessoalmente e participar das ações culturais desenvolvidas de alguma forma..

Valdecy Alves disse...

Grato. Um forte abraço, Evandro.

Related Posts with Thumbnails