domingo, 20 de novembro de 2016

Poesia: Sim... Sim... Ainda Há Tempo para Humanidade


Foto: Valdecy Alves



Precisamos de arte 
Que nos preencha com o sentimento
Libertador do perdão...
Precisamos de conhecimento
Que nos faça realmente livres
Da culpa da incompetência política
Da escravidão das necessidades
Impostas pela natureza
Da traição de todas as religiões
E da escravidão que os humanos
Impõe e impuseram a outros humanos...

Todos esses erros

Oh, Humanidade!
Fazem-nos indignos do nascer do sol
Fazem-nos indignos do próprio crepúsculo...
E da própria escuridão estrelada
Das noites sem luar...

Perdão pela criação de religiões

Que mataram e enganaram por 1.000 anos
Com a complacência de milhões de fiéis...
Perdão por termos criados a política  e a distorcido
Que mantém o discurso da construção do paraíso
E ocupou o lugar da causa de todos os problemas
Que antes só existiam em escala natural...

Perdão por termos permitido

em alguns casos
Que aquela e esta mesma política 
Que aquela e esta mesma religião
Tenham-se juntado um dia
E construído o pior de todos os infernos
Que até hoje só piora em qualidade...
E as mais amaldiçoadas de todas as guerras
Que tingiram e tingem de vermelho rios... lagos... oceanos
E tudo de ruim que se expande ainda 
Por todos os meridianos do mundo
Em quantidade... como um câncer crescente... 
De qualidade viral e apetite voraz progressivos
Capaz de devorar até o bem que ainda não existiu...

A arte... a fé... o conhecimento

Precisam carregar teores
Que levem a Humanidade
Depois do sentimento de perdão...
Além... muito além...
Sim... sim... ainda é tempo...

Se não for assim

Toda Humanidade
Desde o primeiro humano
Até o último... antes do suicídio geral
Que se consolida no presente...
E avança para devorar o futuro...
Maldição no DNA da história humana
Que devorou de dentro para fora
Todas as grandes civilizações...
Fará com que toda existência da humanidade
Não terá valido a pena...
E ao aniquilar-se... apenas limpará
Do azul marinho dessa joia chamada terra
A mácula vermelha visível apenas do espaço...
Iluminada por essa gema de ouro-luz... o sol
Ainda por chegar ao interior da Caverna de Platão!


Ainda há tempo... ainda há tempo
Para humanidade...
Temos sonhado
E todos os profetas, os grandes sábios e grandes líderes
Têm anunciado os mais perfeitos paraísos
Mas o construído tem sido o pior
Diferente da planta da anunciação...

Talvez em toda a história do planeta

Nunca seres vivos quais os humanos
Tenham sonhado tanto... anunciado tantos paraísos
E agido ao contrário do sonhado...
Pois não adianta sonhar com o mais belo jardim
Anunciar tantas flores com tantas vidas e cores...
Mas agir...plantando ervas e construindo balas...
Ao ritmo de todos os tipos de escravidão...

Sim... ainda há tempo... para Humanidade

Sigam a planta dos sonhos
Sintonizem as ações com as plantas da construção prometida
Com as regras das construções desenhadas
E tudo se inverterá... e o único e verdadeiro paraíso emergirá..
Sim... é isso... somos, em verdade
Os nossos maiores demônios e anjos
É chegada a hora da construção do paraíso prometido
Sim... ainda há tempo para Humanidade... Ainda há tempo!


                                           Para todos que creem ainda na utopia
                                           De Valdecy Alves
                                           Fortaleza - 20/11/2016 

Um comentário:

Swonkie disse...

Enviamos um convite para o teu email :)

Related Posts with Thumbnails