quinta-feira, 29 de agosto de 2019

SENADOR POMPEU COMPLETA 123 ANOS EM 03/09/2019 - GLÓRIA - HISTÓRIA -RIQUEZA - DECADÊNCIA E EM BUSCA DE NOVA ERA - ASPECTOS HISTÓRICOS - CULTURAIS - ECONÔMICOS E SOCIAIS


Caminhada da Seca em Senador Pompeu
Temos que fazer da Caminhada da Seca de 2019 a maior de toda história
SENADOR POMPEU - CEARÁ - 123 ANOS - A SUA HISTÓRIA SE CONFUNDE COM A OCUPAÇÃO DO SERTÃO CENTRAL - A ERA DO GADO - A ERA DO ALGODÃO - A ERA DA FERROVIA: Quando foram concedidas as sesmarias nas ribeiras do Banabuiú, estava decretado que com a ocupação pelo gado e o extermínio dos índios da região, surgiria um arraial no exato ponto onde o Riacho do Codiá deságua no Rio Banabuiú, que dobra de largura, ao receber as águas do Rio Patu, a menos de 500 metros do local onde o Codiá é tragado pelo grande Banabuiú, maior afluente do Rio Jaguaribe. Chamado pelos índios de Rinaré. Em qualquer lugar que  as águas se encontrassem seria oásis no Sertão, seria ideal para passagem e descanso do gado, cuja expansão levou ao povoamento do interior do Brasil, sobretudo os sertões do Nordeste e o Sertão do Ceará, que ao Sul, praticamente é beijado pelas águas do Rio São Francisco. Através do Rio Salgado, o Cariri chega a Icó, onde deságua no Rio Jaguaribe logo abaixo do Açude de Orós. Do encontro do rio Jaguaribe com o Banabuiú, possível chegar ao Rio Quixeramobim, deste a Crateús, via Serra das Matas, podendo-se, via Crateús adentrar o Piauí, ou seguindo o Rio Acaraú, passar por Sobral, chegar a Camocim ou mesmo à cidade de Acaraú. Unindo-se assim a todas as estradas do gado existente. Em Crateús era momento de se chegar ao Rio Poti, único Rio do Ceará que deságua noutro Estado, no Piauí, onde se une ao outro grande rio do Nordeste brasileiro, o Rio Parnaíba. Eis o mundo do Sertão mais clássico, todo o espaço compreendido entre o Rio São Francisco, na Bahia e o Rio Parnaíba., no Piauí Rios que foram as estradas do gado e em suas margens existindo as trilhas dos índios. Neste contexto geográfico dos rios, na era do gado, que forjou-se o sertanejo e todo o Nordeste, a exemplo de Senador Pompeu, assim nascendo, no Sertão do Banabuiú. Neste caldeirão, berço do Arraial de Humaitá, depois Senador Pompeu. Que nasceu como município em 03/09/1896, como paróquia em 1919 e passando a comarca autônoma em 1948.




O trem muito simbólico para Senador Pompeu - As Pedras Gêmeas na Estrada do Patu - A Igreja Matriz nos anos 50
O velho mercado na era dos trilhos - Sesmaria e Senador Antigo

Documento de uma das Sesmarias que deu origem a Senador Pompeu



ECONOMIA DO MUNICÍPIO AINDA EM BUSCA DE UMA NOVA ERA DE GLÓRIA E RIQUEZA: A criação do gado, para o mercado interno, foi o que deu origem a tudo, a exemplo do que ocorreu no Velho Oeste dos Estados Unidos. Da primeira fazenda nasceu a cidade de Senador Pompeu, de Thomé Callado Galvão, tudo indica que na Barra do Patu. A cidade também cresceu em torno da capela, que posteriormente deu lugar à Igreja Matriz, baseada na planta criada pelo arquiteto Adolfo Herbster para Igreja do Carmo, em Fortaleza. Com o crescimento econômico, a cidade mais e mais crescia. A paróquia foi criada em 1919, quando também deu-se início à política de açudagem do IFOCS, atual Dnocs, no Governo Epitácio pessoa, há exatamente 100 anos. Há um século.


A sequência da riqueza econômica foi: 1) A era do Gado. 2) A era do algodão, que trouxe consigo a ferrovia e a oxigenação do comércio sertão-capital. 3) a era das indústrias de benefício de algodão e outras, beneficiadoras de sabão, óleo, resíduo para gado, etc. Com o fim do algodão o fim de uma era de muita riqueza, ainda por ser reencontrada. Eis o desafio das novas gerações do povo, dos empreendedores, dos poder público e políticos. Construir o novo eldorado.




ALGUNS NÚMEROS INTERESSANTES SOBRE A ECONOMIA DE SENADOR POMPEU DE 2002 A 2019:  O Ceará tem 184 municípios. O Produto Interno Bruto de Senador Pompeu  foi de cerca de 84 milhões de reais, o que resultou numa renda per capita de R$ 3.076,00.  Dados do Anuário do Ceará, ano 2009/2010. Já em 2016, De acordo com o anuário do Ceará, ano 2019/2020, o Produto Interno Bruto mais que triplicou, totalizando R$ 291 milhões de reais, com renda per capita de  quase R$ 11 mil reais. Índices que dizem respeito, sobretudo, ao aumento real do salário mínimo, nos últimos anos, além do aumento do total de aposentados no Município. Além do incremento da participação da indústria na economia local de foi de 17% no PIB para 20,5%, nos últimos anos. As finanças Públicas subiram de R$ 27,8 milhões para mais de R$ 57,4 milhões, com aumento de 106%, quando nos últimos 10 anos, a inflação foi de cerca de 76%. Fundamental deixar claro que todo esse aumento foi fruto de todo um processo desde o ano 2000.  Atualmente o PIB de Senador Pompeu está entre os 59 municípios com PIB mais elevado no Ceará, outrora variava da posição 66ªº a 64ª.  Tais dados têm como base os anuários do Ceará 2009/2010 e 2019/2020, publicação do Jornal O Povo. Destaca-se ainda a queda em percentual das rendas dos aposentados e dos que recebem bolso família em relação ao PIB municipal, de cerca de 46% para 34% do PIB, o que representa caminhada para autonomia econômica, caso os futuros governantes sejam capazes de compreenderam e manterem este crescimento. VÃO TER QUE ADOTAR O LEMA "Senador Pompeu responsabilidade e prioridade de todos!" Por décadas seguidas, caso realmente amem este Município e se preocupem com o seu povo.  O que demonstra que todas as gestões, doravante, devem manter uma política de continuidade no sentido de potencializar a economia, gerando emprego e renda por todos os meios possíveis, indústria, agropecuária, turismo, etc. Lembrando que a reforma da previdência e a fórmula de reajuste do salário mínimo, apenas pela correção da inflação, medidas do atual governo, estão sofrendo duros retrocessos, o que implicará em queda do PIB e da renda per capita, a médio prazo para o Município. Nunca o Município precisará tanto de políticos com espírito republicano como agora e no futuro, o que vale para todos os políticos e para todos os partidos. Quem vencer qualquer eleição será vencedor se conseguir, no poder, unir todos não como um cacique político, mas em torno da bandeira do crescimento econômico, cultural, social do município e seus munícipes. Quanto mais união, quanto mais for dada prioridade ao povo e à cidade,  acima sempre de interesses individuais e de grupos políticos, garantirá desenvolvimento, crescimento da economia, da cultura, da justiça social do Município. Eis o desafio posto.



Antiga rua Santos Dumont - Estação ferroviária e Usina Sanbra
Casarões da Vila dos Ingleses - Ponte Ferroviária
Cemitério e Açude do Patu - Serra do Patu - Caminhada da Seca

AÇUDAGEM - FÉ - MESSIANISMO - INJUSTIÇA SOCIAL E RELIGIOSIDADE POPULAR: O Ceará sofreu terrivelmente com a famosa seca dos três "7", a grande e traumática seca de 1777, que 100 anos depois se repetiu na seca de 1877/1879, quando Fortaleza recebeu 100.000 flagelados, quando contava com população de apenas 20.000 habitantes.  Quando pela primeira vez se construiu um campo de concentração no Ceará, o Abarracamento do Alagadiço, imortalizado por Rodolfo Teófilo em seu livro "A Fome". Houve outras secas calamitosas, até´chegar a lendária Seca de 15, imortalizada por Raquel de Queiroz em Seu livro "O Quinze", quando a desgraça social, por não haver políticas sociais para os pobres, maioria da população excluída e miserável, mais uma vez, adotou-se a tecnologia dos campos de concentração, construíram-se dois campos: 1) O Campo do Alagadiço e 2) O Campo do Matadouro, este na obra de Raquel de Queiroz, localizava-se onde hoje é a esquina da Avenida Bezerra de Menezes com rua José Jatahy, no sentido bairro centro.

Em 1915, criou-se a terminologia campo de concentração, muito criticada por Rodolfo Teófilo. Em 1919, outra grande seca, foi quando o presidente do Brasil, o nordestino Epitácio Pessoa, deu início à política de açudagem como forma de enfrentar a seca, com projeto de construir 05 grandes açudes no Ceará, um deles era o Açude do Patu, que ficou a cargo da empresa inglesa Norton Griffiths &  Company, cujas obras foram suspensas em 1923. O canteiro de obras abandonado, 160 casas de taipa, casarões e armazéns, na Seca de 32, foi transformado no famoso Campo de Concentração do Patu, em Senador Pompeu, onde proporcionalmente morreram mais flagelados vitimados pela fome e por epidemias, compara aos outros 06 campos de concentração. . Num verdadeiro genocídio. É a Auschwitz brasileira, máquina exterminadora de pobre pela negligência estatal fundamentada num certo darwinismo social. Morreu tanta gente... mais tanta gente... que o cemitério de flagelados... clandestino... em que foram enterrados... foi transformado em campo santo, as almas dos corpos ali enterradas, chamadas de SANTAS ALMAS DA BARRAGEM, foram santificadas pela religiosidade popular.  Ocorrendo um surto messiânico. Assim, o ano inteiro, devotos das Almas da Barragem pagam suas promessas, visitando o Cemitério do Patu,  e no segundo domingo de todo mês de novembro, milhares de pessoas fazem uma caminhada em memória das vítimas do Campo de Concentração do Patu. No meio da multidão, centenas e centenas, participam para pagar suas promessas pelas graças alcançadas. Recentemente, após décadas de luta de ativistas e da sociedade civil organizada, as ruínas do Campo de Concentração do Patu foram tombadas a nível municipal, próximo também de serem tombadas a nível estadual, processo de tombamento em fase de finalização.



Documento da Segunda Sesmaria que deu origem a Senador Pompeu


SITUAÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE SENADOR POMPEU: Segundo dados do Anuário Ceará 2009/2010 e 2019/2020, dados de 10 anos, a população subiu de 25.000 habitantes mais 26.600 habitantes. A quantidade de aposentados, nos últimos 10 anos, passou de 6.898 aposentados para 7;831. Tendo havido queda na quantidade de concessões de bolsa família. Com a reforma da previdência e a mudança do reajuste do salário mínimo, que não mais terá aumento real, apenas reajuste,  repete-se, com o tempo haverá queda na quantidade de aposentados, pois as pessoas demorarão mais tempo para se aposentarem. Necessário encontrar rapidamente soluções para cobertura deste déficit na economia local, que já se desenha no horizonte.

Serra do Patu
Foto: Valdecy Alves



Lindo Casarão da Inspectoria de onde se administrou o Campo de Concentração do Patu
Foto: Mara Paula



CONCLUSÃO: O Município já esteve em situação econômica pior. Por muitos anos foi a terra do já teve que cada vez mais piorava. O desafio era estacionar a queda livre no abismo da piora. Os números mostram que a queda para o nada cessou. Num primeiro momento estacionou, de forma que nos últimos 18 anos começa a ocorrer recuperação econômica com aumento do PIB e crescimento real. O desafio é ser capaz de manter esse ritmo e aumentá-lo, em busca do tempo perdido e do passado glorioso, que é desafio no presente e no futuro. Do ponto de vista cultural a cidade teve um pequeno retrocesso, mas começa a recuperar-se. No mundo social, as políticas públicas como bolsa família e aposentadorias ainda têm mais importância para o PIB que a renda de produtos, indústria e serviços, comparando-se individualmente. É clara a diminuição da violência na cidade e há anos, as escolas têm melhorada a qualidade de ensino.  No campo político, oxalá, todos que militam nesse campo sejam capazes de defender seus partidos nas eleições, mas depois todos se unam em nome do povo e do Município de Senador Pompeu, porque todos ganham quando todos ganham mais ganhos ocorrerão para todos. Os desafios são muitos, desde a derrocada da era do algodão, fechamento das grandes usinas e total abandono da ferrovia, mas a esperança e alguns avanços, fruto de todo um processo em curso, sobretudo nos últimos 10 anos, e já é capaz de criar um ambiente de otimismo e de que podemos vencer todos esses desafios, pela ordem, no campo econômico, político, social, cultural, segurança.



Escritor - Moreira Campos - Um dos maiores escritores do Brasil - Nascido em Senador Pompeu
Foto: Jornal Diário do Nordeste


Cronologia Elaborado por Valdecy Alves
Clique na imagem para  melhor leitura


Cronologia Elaborado por Valdecy Alves
Clique na imagem para melhor leitura




Açude do Patu Sangrando há alguns anos
Foto: Reginaldo Araújo




Foto: acervo Nirez
Poesia de Valdecy Alves



ABAIXO ALGUNS DOCUMENTÁRIOS SOBRE SENADOR POMPEU - CLIQUE NA IMAGEM E ASSISTA







































sexta-feira, 23 de agosto de 2019

CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO NA SECA DE 32 FORAM DEBATIDOS NO VII CURSO BRASILEIRO INTERDISCIPLINAR EM DIREITOS HUMANOS - COM PALESTRA - EXIBIÇÃO DE DOCUMENTÁRIO SOBRE OS CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO DO PATU - BURITI E CARIÚS NO CINETEATRO SÃO LUIZ EM FORTALEZA

Público que permaneceu até o final do debate no Cineteatro São Luiz
Após exibição do documentário CAMPO DE CONCENTRAÇÃO DO PATU, BURITI E CARIÚS
Fotos: Mara Paula

CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO DA SECA DE 32 FORAM DEBATIDOS NO  VII  CURSO BRASILEIRO INTERDISCIPLINAR EM DIREITOS HUMANOS - COM PALESTRA - EXIBIÇÃO DE DOCUMENTÁRIO SOBRE OS CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO DO PATU - BURITI E CARIÚS - DA SECA DE 32 - NO CINETEATRO SÃO LUIZ  - EM FORTALEZA:  Dentro do evento promovido pelo Instituto Brasileiro de Direitos Humanos - IBDH -  juntamente com Instituto Interamericano de Direitos Humanos, em sua sétima edição, tendo como  tema: "O Desafio dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais”, com presença de vários professores e pesquisadores de outros países. Houve debate sobre os Campos de Concentração da Seca de 32, após palestra do Professor Humberto Cunha e exibição do documentário Campo de Concentração do Patu, Buriti e Cariús. 


Momento de exibição do documentário no Cineteatro São Luiz


Momento do início da palestra do Professor Humberto Cunha Filho 
PROFESSOR HUMBERTO CUNHA FEZ UM VERDADEIRO RESUMO DOS DIREITOS ECONÔMICOS - SOCIAIS E CULTURAIS NA HISTÓRIA DO CEARÁ DESDE O BRASIL IMPERIAL ATÉ OS DIAS ATUAIS COM FOCO NO ESTADO DO CEARÁ:  Terra de José de Alencar, criador do mito de Iracema, que mostrando o nascimento do Ceará foi adotado como mito de origem para toda América. Terra da luz, onde primeiro os escravos foram libertados e com participação popular. Terra que criou a primeira Academia de Letras no Brasil e que também teve a primeira mulher que entrou na Academia Brasileira de Letras. Terra de tantas outros fatos que dão orgulho e enaltecem o Ceará e o povo cearense. Mas terra também de pobreza, das grandes secas. Terra em que existiram campos de concentração antes dos nazistas. Terra onde os direitos econômicos, muita pobreza, os direitos sociais, a desigualdade, e os direitos culturais, uma vez analisados levam a muitas conclusões e à necessidade de tomada de medidas no presente e no futuro. O pensamento e a visão do Professor Humberto Cunha podem ser melhor compreendidos através dos seus livros, vários, que podem ser adquiridos nas grandes livrarias de Fortaleza.

Tem início debate com o público após palestra e exibição do documentário
Falando Dr. César Barros Leal - Procurador do Estado do Ceará - professor da UFC




O debate foi muito participativo e complexo 

O DEBATE SOBRE OS CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO DAS SECAS DO CEARÁ À LUZ DOS DIREITOS ECONÔMICOS - SOCIAIS E CULTURAIS APÓS EXIBIÇÃO DO DOCUMENTÁRIO: Após a palestra e exibição do documentário " Campo de Concentração do Patu - Buriti e Cariús", produzido e dirigido por Valdecy Alves, de forma autoral e independente,  teve início o debate no auditório do Cineteatro São Luiz. As perguntas foram as mais variadas, podendo-se resumir, dentro da temática seguida da seguinte forma: QUANTO AOS DIREITOS ECONÔMICOS, o perfil dos concentrados se enquadra nos mais pobres, nos excluídos, nos mestiços, que nunca receberam terras, agregados miseráveis desde o período colonial, que tem o mesmo perfil do povo de Canudos, do povo do Caldeirão de Santa Cruz do Deserto, no Crato, dos devotos de Padre Cícero, que fazem de Juazeiro uma Nova Jerusalém, e dos que são mortos nas periferias das grandes cidades do Nordeste... DIREITOS SOCIAIS que não chegaram para todos, nem no passado, desde o Brasil colonial, até o presente, bastando ler as matérias da grande mídia que mostram o Ceará, em 2019, como o 4º colocado em pessoas que vivem abaixo da linha da pobreza. Por isso sendo fundamental conhecer o passado, para que paremos de repetir os mesmos erros que causam toda a distorção social secular. DIREITOS CULTURAIS que através do cinema (documentário), do teatro, da literatura de cordel,  da música, dos grandes romances como O Quinze de Raquel de Queiroz, A Fome, de Rodolfo Teófilo, Os Retirantes, Cassacos... demonstram a força da cultura cearense, que dentre os grandes escritores tem José de Alencar e tantos outros que podem ser citados. ASSIM, DENTRO DO EIXO DOS DIREITOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E CULTURAIS, o debate foi de alto nível e terá muitos bons desdobramentos no Ceará, no Brasil e através dos professores, estudiosos e pesquisadores de outros países presentes ao evento.



FOTOS DO PROFESSOR HUMBERTO CUNHA DURANTE SUA PALESTRA:













domingo, 11 de agosto de 2019

SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS ENTRE O CEARÁ E A ISLÂNDIA - A TERRA DO SOL E A TERRA DO GELO - POR QUE UM POVO É TÃO RICO E OUTRO POVO TÃO POBRE? AMBOS COM BELEZAS NATURAIS E SITUAÇÕES EXTREMAS CONHECIDAS NO MUNDO INTEIRO

Mapa do Ceará

AS SEMELHANÇAS ENTRE O ESTADO DO CEARÁ E A ISLÂNDIA: Há muitas semelhanças entre o país chamado Islândia e o Estado do Ceará, uma das federações do Brasil. A partir das semelhanças faremos uma reflexão sobre as diferenças tão marcantes. Podemos apontar como semelhanças:

1) O clima extremo, muito quente no Ceará, muito frio na Islândia
2) Sob domínios de forças radicais da natureza
3) A importância do mar na vida dos seus povos, onde o barco e a jangada são fundamentais
4) Suas belezas naturais e o turismo como grande fonte de receita
5) Povo miscigenado (escandinavos e celtas) (português, negro e índio) patrão e mão de obra
6) Último Estado a ser colonizado no Nordeste, último país a ser habitado na Europa
7) Áreas territoriais similares, o Ceará com território um pouco maior que a Islândia


O Ceará no Mapa do Brasil
AS DIFERENÇAS NO CAMPO ECONÔMICO - POLÍTICO E SOCIAL SÃO ESTARRECEDORAS - O QUE PODE EXPLICÁ-LAS:  O clima no Estado do Ceará varia entre 20 graus a 28 graus ao longo do ano, sendo mais quente no seu interior. CONHECIDO COMO A TERRA DO SOL E LIGADO À LUZ - COM A SIMBOLOGIA DA TERRA DA LIBERDADE E TERRA DA LUZ.  Já a Islândia, conhecida como Iceland. O Ceará não tem atividades vulcânicas, a Islândia é a terra dos vulcões, terra do gelo e do fogo. As forças da natureza são responsáveis por paisagens no Ceará e na Islândia que atraem turistas do mundo inteiro. O Ceará fica quase na linha do Equador, a Islândia quase no Polo Norte.  Todavia as piores diferenças dizem respeito à economia, a políticas públicas e à justiça social que merecem destaques, a saber:

1) O Ceará tem cerca de 9 milhões de habitantes e a Islândia cerca de 350 mil habitantes
2) O PIB anual do Ceará é de cerca de U$ 34 bilhões de dólares, o da Islândia U$ 25 bilhões de dólares anual
3) A renda per capita no Ceará anual é de U$ 3.800 dólares anual, já na Islândia a renda per capita anual é de U$ 83.750 dólares anuais
4) A taxa de homicídios no Ceará é de 60 assassinados por 100 mil habitantes, na Islândia é de cerca de 2 homicídios por 100 mil habitantes
5) O Ceará tem um dos maiores índices de criminalidade do Brasil, a Islândia tem um dos menores índices de criminalidade do mundo
6) O Ceará recebe cerca de pouco mais de 100 mil turistas por ano, a Islândia mais de 2 milhões de turistas por ano
7) Não se entende porque a indústria da pesca que é fundamental para economia da Islândia é tão fraca na economia do Ceará, apesar dos recursos no Oceano Atlântico tão rico em recursos naturais

Islândia
ALGUMAS CONCLUSÕES DA ANÁLISE DAS DIFERENÇAS ENTRE CEARÁ E ISLÂNDIA: Como 350 mil habitantes, população da Islândia,  07 vezes menor que Fortaleza, pode produzir uma renda anual por pessoa, por habitante,  20 vezes superior à renda per capita do Ceará?  Por que no Ceará matam-se mais pessoas por 100 mil habitantes, 30 vezes mais que na Islândia? Claro que a desigualdade social e acesso a direitos fundamentais explicam em parte tais absurdos, mas por que não resolver esse problema crônico no Ceará, que tem melhorado muito nos últimos tempos, tendo causas seculares que recuam à distribuição das sesmarias, terras, e à discriminação dos povos mestiços? Comparando a importância da pesca para as duas economias, tem-se a impressão que a pesca no Ceará, com um dos maiores litorais do Brasil, nunca foi levada a sério. Como explicar a Islândia, cheia de vulcões, com terremotos, em muitas cidades o ar e a água impregnados do odor de enxofre dos vulcões, receba turistas, que correspondem 05 vezes á população do país, enquanto o Ceará recebe pouco mais de 100 mil turistas por ano??? Se o Ceará conseguisse ao menos receber um número de turistas igual à sua população, receberia cerca de 9 milhões de turistas por ano. Fosse capaz de igualar o feito da Islândia, receberia por ano 45 milhões de turistas. ALGUNS PODEM DIZER: - Mas não se pode comparar um país com um Estado de uma federação... sim... podemos sim... porque esses mesmos são os que se gabam que o Brasil é um país continental... então que seus feitos sejam continentais e dos estados da federação sejam feitos a níveis de países.

Islândia e Ceará com destaque no Mapa do Mundo


TALVEZ FOSSE IMPORTANTE ANALISAR QUE POLÍTICAS A ISLÂNDIA ADOTOU PARA O TURISMO - PARA PESCA E PARA REDUZIR A DESIGUALDADE SOCIAL: Maquiavel dizia que existem aqueles que aprendem com os próprios erros, são as pessoas normais; que existem aqueles que aprendem com os erros dos outros, estas são as pessoas inteligentes, mas existem aqueles que não aprendem nem com os próprios erros, nem com os erros dos outros, ESTAS SÃO AS PESSOAS IMBECIS. Que tal aprendermos um pouco com o povo da Islândia, terra do fogo e do gelo ao mesmo tempo, terra dos terremotos, terra das montanhas e baías fumegantes, com temperatura anual média de 11 graus, podendo chegar a -3 graus negativos,  terras em que os escandinavos escravizadores miscigenaram-se com os celtas escravizados... sobretudo copiando suas políticas para o turismo, para pesca e para redução da desigualdade social, problema secular num Estado, onde governo estadual e governo Federal, a exemplo dos nazistas, fizeram campos de concentração nas secas para matar em massa, pelo abandono e pela omissão imediata através da fome e da falta de assistência médica, seu próprio povo, fruto de exploração, genocídio e aniquilamento ao longo dos séculos, onde uma parte da população se comporta como colonizadora, tratando pobres e mestiços como colonizados, gerando uma desigualdade social, que redunda num genocídio e numa guerra civil de fato, em que se mata 60 pessoas por cada 100 mil habitantes, coincidentemente o  povo vitimado é o mesmo povo que tem o perfil social de Antonio Conselheiro, de Beato Lourenço e seus seguidores... do mesmo povo devoto de Padre Cícero... do mesmo povo vitimado em todos os campos de concentrações das secas do Estado do Ceará, há séculos e séculos... Oh, copiemos um pouco da Islândia!


PAISAGENS MARAVILHOSAS DO CEARÁ E DA ISLÂNDIA:

Geleira na Islândia na encosta de um vulcão - país de gelo e fogo

Praia de Vik na Islândia - Praia negra de areias queimadas pelos vulcões - temperatura negativa

Estrada construí da num campo de magma
Que leva ao vulcão  Trihnukagigur 



Espelho d"água entre o o azul do mar e o vermelho da Praia de Ponta Grossa


Conhecer o Sertão Central - sua História - Beleza e o pôr do sol sem igual

Praia de Beberibe com as cores infindas de suas falésias



Related Posts with Thumbnails