quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

SERVIDORES MUNICIPAIS DE ITAREMA DEBATEM EM AUDIÊNCIA PÚBLICA A VOLTA DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL PARA O INSS - DECIDIRÃO EM BREVE SE FEDERALIZAM OU NÃO A PREVIDÊNCIA!

Centenas de servidores lotaram o ginásio em Itarema - Debatendo a federalização da previdência
Fotos: Mara Paula -Valdecy Alves

UM DEBATE PROVOCADO PELO SINDICATO DOS SERVIDORES DEPOIS DE DENUNCIAR A SITUAÇÃO DO REGIME PRÓPRIO AO MINISTÉRIO PÚBLICO: No ano de 2015, o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Itarema (SINDITA) denunciou o Regime Próprio de Previdência de Itarema ao Ministério Público. Tudo por conta do rombo atuarial, da falta de transparência e de sérios indícios de má-gestão.  APÓS AUDIÊNCIA DE CONCILIAÇÃO MEDIADA PELA PROMOTORA DO MUNICÍPIO DRA. MAYARA MENEZES - MUNICÍPIO E SINDICATO CONCORDARAM EM REALIZAR AUDIÊNCIA PÚBLICA PARA DEBATER E DEPOIS DECIDIR SE MANTERÃO A PREVIDÊNCIA MUNICIPALIZADA OU SE VOLTAM PARA O INSS - Federalizando o regime de previdência. O Município se fez presente com 03 advogados, todos os secretários, presidente do RPPS de Itarema e o representante da Arima, Túlio. Presente em apoio ao Sindita o Sindsep Paraipaba, representando por sua presidente Val Pires. Representando o Sindicato de Itarema o seu presidente Edjalma, Júnior e a assessoria jurídica. Dra. Mara Paula e Dr.Valdecy Alves.  Coube ao Município falar primeiro, através de apresentação de números pelo Secretário de Administração e presidente do RPPS, Max, filho do prefeito, seguido pelo representante da Arima. Pelo Sindicato, debateu o Dr. Valdecy Alves. Depois houve perguntas e respostas pelos servidores. A audiência durou cerca de 2 horas.  Centenas e centenas de servidores se fizeram presentes. UM MOMENTO ONDE PELA PRIMEIRA VEZ SE GARANTIU O ACESSO A DADOS DO RPPS E O SERVIDOR DECIDIRÁ, JÁ QUE O FUNDO DE PREVIDÊNCIA PERTENCE AO SERVIDOR, SE VOLTARÁ PARA O INSS.

Município - Sindicato e Servidores em Debate

OS NÚMEROS - O ROMBO E A FALTA DE TRANSPARÊNCIA DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DE ITAREMA: O rombo atuarial do Fundo Municipal de previdência ultrapssa R$ 25 milhões de reais. Term mais de 1.000 servidores efetivos filiados. Tem poucos aposentados e pensionistas. Suas principais despesas são: R$ 60 mil anuais pagos à assessoria jurídica; R$ 38 mil pagos ao médico perito, luz, aluguel, etc; Já parcelou mais de R$ 4 milhões em 240 meses (parte patronal não repassada ao RPPS); Parcelou cerca de R$  1.300.000,00, parcelados em 60 meses (parte paga pelo servidor que não foi repassada ao fundo de previdência). A alíquota paga pelo servidor é de 11% e pelo Município 21%. Os reparcelamentos, parcelamentos não pagos, totalizam mais de R$ 6 milhões de reais. Parcelamentos e reparcelamentos indicam má-gestão, empréstimos ilegais a partir de apropriação indébita de parte das verbas previdenciárias. Tudo indica que sequer o fundo de previdência de Itarema tem as fichas contábeis individualizadas de cada servidor, desde sua posse, com o total de contribuições ano a ano, mês a mês, tanto da contribuição do servidor quanto da contribuição patronal. A exemplo do INSS, que a qualquer tempo tem como fornecer o CNIS, extrato de contribuição de qualquer trabalhador brasileiro, on line. Na hora. Desde seu primeiro emprego. O QUE MOSTRA, ALÉM DA FALTA DE TRANSPARÊNCIA, MÁ-GESTÃO! Acesso o extrato do Fundo Municipal de Previdência no link abaixo:
Sindita e a presença da Val - Presidente do Sindsep Paraipaba  - ao fundo representante da Arima
DA FALTA DE SEGURANÇA PREVIDENCIÁRIA E DA CONCLUSÃO: O Sindicato deixou bem claro através dos seus representantes: NÃO SE DISCUTIA O MELHOR REGIME DE PREVIDÊNCIA SE REGIME PRÓPRIO OU SE REGIME GERAL, MAS QUAL O MAIS SEGURO PARA O SERVIDOR. CAPAZ DE NO FUTURO GARANTIR O PAGAMENTO SEM FALTA DE SUA APOSENTADORIA??? Importante salientar que a adoção de regime próprio não é obrigatório para os municípios, como alega a Arima. Que dos municípios brasileiro, cerca de 5.560 município, mais de 3.500 municípios não adotaram o regime próprio de previdência; Os 27 estados brasileiros adotaram o regime próprio de previdência, e o rombo atuarial de todos eles chega a R$ 2 trilhões e 400 bilhões de reais. Cerca de 44% do PIB do Brasil. O que demonstra que a má-gestão dos regimes próprios está generalizada. O que pode ser lido em matéria no jornal O Globo, link adiante:
http://oglobo.globo.com/economia/previdencia-dos-estados-tem-rombo-de-24-trilhoes-18720487

QUEM PAGA A CONTA DOS ROMBOS SEMPRE? CLARO QUE O SERVIDOR. Importante destacar que a maioria dos servidores de Itarema recebem o salário mínimo, pagando 11% de previdência do seu salário, quando servidores filiados ao INSS, que ganham o salário mínimo, pagam apenas 8% de alíquota previdenciária. Que a maioria dos professores pagariam no máximo 9% de contribuição previdenciária sobre sua remuneração, enquanto no regime próprio, caso de Itarema, paga 11% de previdência sobre o que ganha. Percebe-se outro absurdo, que o servidor que ganha só o mínimo, paga a mesma taxa de contribuição dos que ganham mais. Cabendo ao servidor pagar ainda as despesas do fundo municipal de previdência, como advogados, médicos, alugueis, etc. Atualmente 135 municípios do Ceará estão sendo investigados por corrupção, que existem gestores que se apropriam das verbas públicas sem o menor pudor, numa conduta nada republicana.  Atualmente os regimes próprios de Redenção, Quixadá, Quixeramobim... não têm um tostão na conta corrente. SEM EQUILÍBRIO FINANCEIRO E COM GRAVE ROMBO ATUARIAL PERENE E SEM SOLUÇÃO A CURTO PRAZO.  Sem dúvida que o regime próprio de previdência social.... não é seguro para o servidor. O regime geral, regido pelo INSS, acaba sendo mais seguro. Em breve o Sindicato dos Servidores realizará assembleia quando o servidor decidirá pela manutenção do regime próprio ou pela federalização da previdência. 

 A QUAL REGIME VOCÊ PREFERE SER FILIADO??? AO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - GERIDO PELO INSS (federal) - OU AO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DO SEU ESTADO OU DO MUNICÍPIO??? QUAL O MAIS SEGURO PARA O TRABALHADOR? VOCÊ CONFIA NOS PREFEITOS COMO GESTORES? O SEU DIREITO À VIDA  ESTARÁ GARANTIDO POR QUAL REGIME DE PREVIDÊNCIA??? Leia e comente. VEJA ABAIXO TABELA, COM AS PRINCIPAIS VANTAGENS E DESVANTAGENS DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL:

V A N T A G E N S
D E S V A N T A G E N S
 Aposentadoria por idade exige apenas 10 anos de contribuição e a idade.
Falta de Fiscalização dos órgãos responsáveis ou fiscalização ineficaz (TCM – Ministério da Previdência) – Falta de transparência
Não há teto para o valor do benefício dos concursados antigos
Faltam Informações e simulação sobre benefícios requeridos no setor de atendimento
Possibilidades de auditorias federais
Não há acesso aos extratos de contribuição individualizados - Contabilidade sem transparência – fechada - nebulosa
Não há carência para concessão de auxílio doença e aposentadoria por invalidez
Dificuldade de afastamento do servidor enquanto aguarda aposentadoria e continuar na folha de pagamento dos ativos, o que é ilegal.
Proximidade do atuário e do Conselho Fiscal
Pagamento indevido de previdência quando o servidor já cumpriu os requisitos para aposentadoria e ainda continuar trabalhando
Não há fator previdenciário
 Concessão de benefício não retroativo à data protocolo – demora para concessão de benefício
Possibilidade de paridade para os servidores mais antigos
Confusão entre ato e homologação e de concessão de aposentadoria- Burocracia Município e TCM
Possibilidade de integralidade para servidores mais antigos
Falta controle de extinção de benefícios
Falta de informatização do RPPS – total falta de acesso do segurado a informações
Gestores desqualificados e escolhidos por critérios pessoais ou políticos
Falta de democratização dos demonstrativos atuariais e falta de socialização da solução dos problemas pelos gestores
Politicagem da perícia médica
Deficit´s atuarias como regra e em muitos Municípios déficit’s financeiros
Desequilíbrio entre ativos x inativos por excesso de contratados
Técnica atuarial voltada não para viabilizar os RPPS mas para maquiar déficit´s
Mau atendimento aos servidores
Alíquota bem maior para o segurado - igual a 11%  e menor ainda para o Município
Falta de formação para os conselheiros
Falta de prestação de contas dos investimentos e seus rendimentos

Falta de prestação de contas da taxa administrativa de 2% - pagar para ser mal gerido

Competência da Justiça Estadual lenta e ineficaz quanto a julgamentos envolvendo o RPPS-Comarcas com juiz emprestado

Ministério Público Estadual com poucos promotores e sem treinamento adequado para complexidade do tema no momento de fiscalizar, controlar e denunciar

Criado para diminuir pagamento de encargos sociais – servidor visto como despesa – como forma de fabricar receitas

Não atualização e defasagem do poder de compra do valor dos benefícios – redução do benefício ao longo do tempo

Empréstimos disfarçados por parcelamentos e reparcelamentos eternos – papeis em caixa em vez de dinheiro – projetos de leis sem valores

Adoção de regime financeiro de capitalização

Lei 9.717/98 incompleta quanto à fiscalização e tinha que prevê só poder mudar regime de previdência se a categoria aprovasse em plebiscito

Possibilidade de cobertura limitada das contingências- Recursos limitados

O RPPS não têm autonomia para cobrar dívidas do Município – nem denunciar ao Ministério Público. Seu presidente da confiança do prefeito.

Meio Salário mínimo x aposentadoria

Probição de aposentar-se e continuar trabalhando para cargos não cumuláveis

Inativos e pensionistas pagam previdência

Uso político do RPPS, sobretudo no período eleitoral

Vulnerabilidade à corrupção

RPPS tratado como departamento da prefeitura

Ineficiência das Câmaras municipais em fiscalizar e muitas vezes cumplicidade

Benefícios previdenciários de professores afastados para aposentar se pagos com recursos do FUNDEB
Elaboração: Dr. Valdecy Alves
E mail:   Valdecyc_alves@yahoo.com.br

sábado, 20 de fevereiro de 2016

SERVIDORES DE PARAMOTI APROVAM CAMPANHA SALARIAL 2016 E VÃO USAR O PODER DO VOTO NA LUTA - SE O PREFEITO TIVER JUÍZO DEVERÁ IMPLEMENTAR TODOS OS DIREITOS SOCIAIS VIOLADOS! A LUTA SÓ ESTÁ COMEÇANDO...

NA MANHÃ DE 20/02/2016 - O SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE PARAMOTI EM ASSEMBLEIA APROVOU A CAMPANHA SALARIAL DO ANO - PARA UMA LUTA SEM TRÉGUAS ATÉ A IMPLEMENTAÇÃO DOS DIREITOS MÍNIMOS NECESSÁRIOS À DIGNIDADE E À VALORIZAÇÃO DOS SERVIDORES MUNICIPAIS: Por unanimidade foi aprovada a CAMPANHA SALARIAL DO ANO DE 2016. Destaque para o pedido de reajuste do piso dos agentes de combate às endemias (ACE) e dos agentes comunitários de saúde e (ACS); destaque para o reajuste linear para os professores conforme o artigo 5º da Lei do Piso do professor, que manda reajustar o piso pelo Valor Aluno do ano de 2016, logo o reajuste devendo ser linear, para todos as classes,  reajuste de 19.90%. Para evitar o que está acontecendo com o antigo Fundef, por utilizar valor aluno menor, eis dívidas que restam de 1999 a 2006, de milhões e milhões de reais. Reajuste de 41% pata todas as categorias que não tiveram reajuste nos últimos anos. Sobretudo servidores de nível médio e de nível superior, que sempre ganharam acima do salário mínimo e não são professores. Além da exigência da implementação de vários outros direitos mínimos, sem os quais, resta atacada a dignidade dos servidores públicos municipais de Paramoti. OS REPASSES DE VERBAS PARA O MUNICÍPIO SEMPRE AUMENTARAM A CADA ANO E SEMPRE FORAM REPASSADOS EM DIA. LOGO, DINHEIRO É O QUE NÃO FALTA!

A CATEGORIA APROVOU REAJUSTE DA CONTRIBUIÇÃO MENSAL DO FILIADO DE 1,5% PARA 2%: Até a assembleia de 20/02/2016 a contribuição mensal do servidor filiado era de 1,5%. Mas a categoria aprovou que a partir de fevereiro de 2016 passará a ser de 2% sobre sua remuneração mensal. SINDICATO FORTE E AUTÔNOMO É AQUELE QUE É FINANCIADO E SUSTENTADO POR SEUS FILIADOS. Assim, fortalecendo-se a entidade sindical.

A LUTA SÓ ESTÁ COMEÇANDO E A CATEGORIA ESTÁ PRONTA PARA UMA VERDADEIRA GUERRA E PARA VITÓRIA DA JUSTIÇA SOCIAL!

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

SERVIDORES MUNICIPAIS DE IRAUÇUBA APROVARAM CAMPANHA SALARIAL DO ANO DE 2016 DANDO PRIORIDADE A COBRAR O REAJUSTE LEGAL DO PISO DO PROFESSOR QUE DEVE SER DE 19,90% CONFORME A LEI DO PISO E NÃO 11,36%- REAJUSTE DO PISO DOS ENDEMIAS PARA R$ 1.200,00 E A FEDERALIZAÇÃO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA - COMEÇA A LUTA!

Campanha salarial 2016 aprovada por unanimidade - Foto: Mara Paula

APROVADA CAMPANHA SALARIAL EM 2016 E A CATEGORIA ESTÁ PREPARADA PARA NÃO ABRIR MÃO DOS SEUS DIREITOS SOCIAIS: O prefeito de Irauçuba diz tudo que o servidor quer ouvir... sempre declara que direito tem que ser respeitado... mas na hora de implementar o direito e pagar o que deve ele diz sem o menor pudor: - A PROCURADORA GERAL DO MUNICÍPIO NÃO PERMITIU. Mas o servidor já entendeu qual a do prefeito. POIS NO FINAL DAS CONTAS TODOS SABEM QUE  É ELE QUEM MANDA E QUE ESTÁ FAZENDO DA PROCURADORA GERAL UMA ESPÉCIE DE FUSÍVEL, isto é, fica como demonizada e aquela que é culpada por todas violações aos direitos. PREFEITO MOTINHA DE IRAUÇUBA, pare com essa conversa fiada! O SINTRAMI NUNCA ESTEVE TÃO FIRME! PRIORIZA-SE NA CAMPANHA SALARIAL DE 2016 a luta por reajuste do piso do professor conforme o artigo 5º da Lei do Piso, que deve ser de 19,90% e não o Piso Pirata do Mec, que é só de 11,36%. O reajuste do piso dos ACS e ACE para R$ 1.200,00, além de aprofundar o debate sobre a federalização do regime próprio de previdência de Irauçuba, que já nasceu deficitário, congenitamente destinado à falência. O SERVIDOR SABE QUE SE O PREFEITO QUISER SER BONZINHO COMO QUER PARECER A HORA É AGORA, PRINCIPALMENTE EM ANO ELEITORAL. A categoria fará debate com todos os candidatos após julho de 2016 para saber quem assina termo de compromisso para implementação dos direitos violados, o que inclui licença prêmio e também insalubridade. A CATEGORIA NÃO VOTARÁ EM CANDIDATO QUE SEJA VIOLADOR DOS SEUS DIREITOS. EIS UM FATO! A LUTA COMEÇA E SÓ CESSARÁ QUANDO CESSAREM AS VIOLAÇÕES AOS DIREITOS SOCIAIS E À DIGNIDADE DO SERVIDOR. PODERÃO TER PARALISAÇÕES. PODERÁ TER GREVE!

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

A GERAÇÃO DE ATUAIS PREFEITOS DO CEARÁ É A QUE MAIS ALEGOU QUE NÃO TEM DINHEIRO QUANDO NOS ÚLTIMOS 03 ANOS OS REPASSES SÓ AUMENTARAM - CONFIRA NA TABELA ABAIXO - E NUNCA SE INVESTIGOU TANTO POR CORRUPÇÃO...

Imagem do Google

A GERAÇÃO DE PREFEITOS ATUAL NO CEARÁ É QUE MAIS CHOROU MISÉRIA E QUE MAIS RECEBEU DINHEIRO E A QUE SÓ PENSA EM COMO PERMANECER NO PODER: Nunca se viu na história do Ceará uma geração de prefeitos que pode ser considerada a pior dos últimos tempos. POIS AO TEMPO QUE FOI A QUE RECEBEU MAIS REPASSES DE RECURSOS FEDERAIS, tem sido a que mais atrasou salário dos servidores municipais, tem sido a que mais desvalorizou o servidor, nunca se abriram tantas investigações por corrupção, nunca se viu tão pouca transparência, nunca se abriram tantos inquéritos para investigação, tanta condenação por corrupção, nunca se viu prática política tão incoerente com o discurso... AO MESMO TEMPO SUA PRIORIDADE É COMO SE MANTER NO PODER INDIFERENTE À ÉTICA POLÍTICA MÍNIMA, pouco se importando com os serviços públicos que nunca foram tão ruins: EDUCAÇÃO, SAÚDE, ESPORTE, CULTURA, SEGURANÇA... Não estão nem aí com os objetivos republicanos do Estado brasileiro, o povo é só um detalhe, a justiça social uma concorrente que pode consumir os recursos, que na visão deles e delas, pertencem a eles e ao seu grupo político. POR ISSO REINA A VIOLÊNCIA, O MOSQUITO DA MICROCEFALIA, AS DROGAS E A EDUCAÇÃO DE PÉSSIMA QUALIDADE. É O REINO DO ABUSO, DA MENTIRA, DA MORTE DA ESPERANÇA E DO MUNDO CÃO! Não pode haver pior parasitagem. A MAIORIA NÃO MERECIA NEM TERMINAR O MANDATO - MAS MUITOS SÓ PENSAM EM REELEIÇÃO!

EM 2016 A PREVISÃO É QUE NO MÍNIMO O REPASSE DOS RECURSOS AUMENTE EM MAIS DE 10%

CONFIRA QUANTO ENTROU DE RECURSOS FEDERAIS EM SEUS MUNICÍPIO DE JANEIRO DE 2012 A DEZEMBRO DE 2015 - VEJA QUE OS REPASSES SÓ AUMENTARAM E NUNCA HOUVE ATRASO NOS REPASSES – REINA A MÁ GESTÃO (favor se copiar dados citar a fonte):


MUNICÍPIO
2012
2013
2014
2015

Abaiara
10.794.060,40
11.223.324,20
12.368.004,93
13.438.486,26
Acarapé
13.635.017,46
14.640.018,24
16.527.680,09
18.298.553,57
Acaraú
46.478.426,78
49.969.005,67
53.962.073,25
58.578.219,02
Acopiara
40.915.249,84
44.764.641,92
48.075.405,29
52.309.056,32
Aiuaba
16.539.461,53
17.410.043,55
18.747.162,35
19.878.629,66
Alcântaras
12.482.999,41
13.320.432,96
14.842.188,68
15.962.901,41
Altaneira
8.913.699,55
9.641.021,57
10.442.416,69
11.464.621,58
Alto Santo
15.524.794,49
16.488.928,62
17.704.264,70
19.372.508,78
Amontada
38.445.915,25
40.837.141,35
43.963.092,60
46.464.578,89
Antonina do Norte
8.610.928,74
9.414.936,86
10.279.756,97
10.919.125,69
Apuiarés
14.602.791,20
15.743.214,57
17.152.971,78
18.587.191,56
Aquiraz
53.010.997,27
58.372.995,80
63.653.660,82
69.924.133,13
Aracati
45.923.754,85
48.666.840,41
56.826.137,29
62.508.509,25
Aracoiaba
24.079.161,50
26.211.059,28
28.967.773,20
32.087.725,82
Ararendá
12.259.903,87
12.978.217,91
14.238.382,42
15.530.126,64
Araripe
23.140.387,26
25.141.632,5
27.709.834,22
29.751.341,49
Aratuba
13.833.041,91
14.834.028,13
16.206.350,43
17.495.251,08
Arneiroz
9.614.939,45
10.062.412,56
10.952.467,76
11.691.380,79
Assaré
20.636.175,14
21.827.551,43
23.317.874,29
24.679.050,76
Aurora
21.602.152,79
23.251.606,22
24.664.720,59
27.527.092,49
Baixio
7.470.936,23
8.007.109,29
8.798.991,25
9.325.015,10
Banabuiú
18.947.265,32
20.083.591,90
22.289.136,25
24.151.746,19
Barbalha
40.492.135,95
43.738.947,93
48.745.639,61
51.912.799,05
Barreira
20.003.776,13
21.956.892,55
23.949.589,93
26.118.043,93
Barro
18.505.890,80
20.267.655,24
21.718.422,05
23.496.061,98
Barroquinha
17.352.748,85
18.147.107,63
19.852.205,71
21.213.080,04
Baturité
25.892.914,35
27.733.250,02
29.976.740,12
32.394.567,53
Beberibe
41.810.866,43
44.877.340,94
51.770.506,91
55.746.544,20
 Bela Cruz
26.600.688,22
28.519.228,02
31.448.088,91
32.662.032,89
Boa Viagem
44.288.524,61
47.754.494,79
51.351.508,83
55.141.344,36
Brejo Santo
38.549.766,25
43.454.677,14
48.787.583,22
53.646.016,11
Camocim
48.014.849,78
50.805.966,57
56.974.493,36
62.473.173,65
Campos Sales
24.360.398,64
25.992.174,94
27.618.697,60
29.863.039,58
Canindé
56.717.430,33
61.551.752,72
67.433.828,63
70.031.029,34
Capistrano
20.090.221,82
21.290.934,50
23.201.457,05
25.124.307,59
Caridade
18.816.728,72
19.972.627,40
21.579.975,46
24.815.253,34
 Cariré
18.532.654,50
19.513.363,63
21.264.552,74
22.869.959,63
Caririaçu
25.228.814,84
27.224.897,03
30.170.462,96
31.263.380,50
Cariús
17.048.023,28
18.103.672,88
19.318.690,82
20.660.782,87
Carnaubal
16.992.869,54
17.992.291,06
21.008.039,02
22.958.812,80
Cascavel
47.705.493,14
51.602.093,05
57.907.278,64
64.824.297,60
Catarina
15.135.074,38
16.165.666,31
17.895.630,16
19.415.851,91
Catunda
11.319.620,84
11.842.158,62
15.119.837,96
16.878.858,44
Caucaia
190.913.080,71
202.644.516,84
221.713.181,66
237.636.278,11
Cedro
22.549.888,11
23.306.398,14
24.693.317,66
26.416.266,84
Chaval
13.697.424,12
14.630.021,33
15.773.339,94
16.758.832,36
Choró
14.008.914,91
14.674.850,11
16.191.202,75
17.396.554,95
Chorozinho
19.640.220,52
21.267.493,82
23.524.373,92
26.160.334,44
Coreaú
20.775.060,63
22.230.979,00
25.368.215,52
27.948.901,73
Crateús
49.404.730,09
52.059.181,62
56.856.329,60
63.640.965,37
Crato
67.343.672,27
72.401.975,37
80.056.007,22
87.570.040,76
Croatá
18.693.733,37
20.154.524,70
22.478.685,51
24.456.762,00
Cruz
21.776.786,56
23.450.701,57
25.902.430,20
29.044.915,16
Deputado Irapuan Pinheiro
8.868.150,04
9.638.484,71
10.585.916,41
11.191.678,46
Ererê
8.162.820,50
9.090.497,12
10.165.338,60
10.832.857,53
Eusébio
44.112.194,79
47.982.518,68
52.054.760,76
58.572.142,42
Farias Brito
18.574.996,63
19.931.993,86
21.784.252,75
23.837.764,94
Forquilha
19.991.363,97
21.017.632,52
22.682.228,96
24.550.063,69
Fortaleza
1.010.025.668,92
940.668.261,94
1.018.518.576,04
1.136.697.307,73
Fortim
15.449.104,91
16.747.139,24
18.120.565,26
19.364.785,70
Frecheirinha
13.550.265,69
14.566.844,36
16.042.181,68
17.725.113,21
General Sampaio
9.517.219,95
10.282.956,39
11.003.568,06
12.309.988,44
Graça
17.156.286,69
17.554.604,27
20.123.227,19
21.569.334,86
Granja
48.396.845,88
51.155.839,53
56.575.130,84
60.501.897,29
Granjeiro
8.507.809,84
8.868.449,42
9.463.146,12
10.028.632,72
Groaíras
11.400.231,41
12.402.677,56
13.445.176,20
14.791.861,56
 Guaiúba
22.868.333,96
24.981.561,30
28.067.719,83
30.293.829,96
Guaraciaba do Norte
36.797.338,45
38.943.641,28
41.899.099,09
45.170.873,73
Guaramiranga
7.790.464,76
8.345.816,18
9.208.200,92
10.110.430,77
 Hidrolândia
18.953.819,37
19.994.005,68
22.428.117,60
24.020.292,21
Horizonte
45.338.074,74
49.326.929,38
54.440.748,05
61.594.964,51
Ibaretama
13.461.664,59
14.143.538,64
15.495.324,77
17.091.989,79
Ibiapina
22.209.061,28
23.357.040,31
26.436.890,96
28.358.169,06
Ibicuitinga
13.387.471,22
14.323.870,63
15.500.345,80
17.143.318,65
Icapuí
19.513.447,39
20.717.898,08
22.748.739,41
24.793.672,77
Icó
49.264.909,23
54.356.808,50
59.883.128,76
65.852.693,78
Iguatu
54.381.389,08
57.919.303,82
63.990.923,32
70.832.861,68
Independência
22.067.742,23
23.533.310,20
25.495.323,76
27.297.309,06
 Ipaporanga
12.485.847,76
13.256.942,93
14.676.095,29
15.638.228,33
Ipaumirim
10.818.463,43
11.807.037,35
13.280.083,27
14.651.456,35
Ipu
33.594.391,64
35.769.332,42
39.461.040,26
43.022.807,61
Ipueiras
35.652.506,35
37.173.384,50
40.152.076,19
43.583.665,89
 Iracema
14.333.813,96
15.060.827,23
16.772.863,28
17.794.767,25
Irauçuba
22.324.739,18
24.220.642,35
26.214.831,00
29.531.352,40
Itaiçaba
7.899.950,86
8.441.444,77
9.028.850,50
9.803.934,94
Itaitinga
29.996.102,06
33.920.757,61
39.070.863,98
42.455.775,37
Itapagé
38.899.181,83
42.201.703,17
44.812.693,64
48.665.724,91
Itapipoca
87.194.269,80
92.306.479,29
101.688.448,59
111.916.166,88
Itapiúna
18.686.362,11
19.848.607,77
21.544.140,41
23.917.514,65
Itarema
35.656.359,38
38.298.310,26
42.636.080,99
45.039.026,82
Itatira
22.534.101,16
24.220.012,36
26.759.533,98
28.648.180,78
Jaguaretama
18.246.027,19
19.477.226,86
20.686.796,40
21.663.112,81
Jaguaribara
11.755.961,02
12.648.630,64
13.793.448,60
14.743.428,00
Jaguaribe
28.799.622,22
31.283.841,05
34.606.607,60
37.470.205,66
Jaguaruana
25.511.379,80
27.445.695,71
30.233.277,33
32.254.752,98
Jardim
26.558.557,14
28.910.495,38
32.249.736,17
34.645.469,71
Jati
8.471.625,30
9.048.419,09
10.054.611,28
11.022.777,77
Jijoca de Jericoacoara
18.500.243,11
20.056.287,19
21.944.323,49
24.420.682,58
 Juazeiro do Norte
136.075.227,12
140.090.733,72
154.269.361,09
166.380.289,60
Jucás
21.380.539,86
22.928.061,46
24.708.900,27
28.240.248,69
 Lavras da Mangabeira
25.500.012,40
27.917.707,17
30.890.248,74
33.881.154,92
Limoeiro do Norte
36.713.114,75
39.123.369,19
44.068.112,70
47.610.475,70
Madalena
19.377.198,19
20.585.828,01
22.834.669,29
24.342.975,89
Maracanaú
147.486.904,90
152.542.644,82
167.371.160,07
180.912.025,58
Maranguape
66.665.821,87
72.197.631,01
78.789.488,24
86.500.156,47
Marco
27.355.865,30
29.302.975,68
32.144.253,17
35.603.001,69
Martinópole
13.127.231,45
14.094.744,80
15.282.729,33
16.288.320,58
Massapê
31.237.765,67
33.196.141,33
36.959.726,33
39.647.633,96
Mauriti
38.741.688,87
41.089.434,43
45.007.771,27
48.318.068,09
Meruoca
15.112.209,83
16.392.460,11
17.776.272,95
19.437.149,57
Milagres
22.501.751,63
24.172.030,91
26.340.018,98
29.117.990,99
Milhã
12.575.827,09
13.443.582,96
14.656.889,68
15.375.463,04
Miraíma
14.486.900,47
16.044.900,39
17.072.271,55
18.247.511,95
Missão Velha
29.594.630,40
32.244.467,11
34.549.906,93
37.671.491,09
Mombaça
34.027.976,49
36.307.164,28
38.734.242,07
44.751.030,79
Monsenhor Tabosa
17.406.230,26
17.626.009,74
21.341.442,18
24.881.330,08

Morada Nova
50.305.533,02
52.854.830,23
56.977.436,87
60.279.169,67
Moraújo
9.320.853,48
9.852.435,45
10.785.929,20
12.225.864,71
Morrinhos
19.349.889,81
20.901.617,49
23.579.647,19
25.601.458,77
Mucambo
15.778.450,04
17.070.532,24
18.379.322,01
19.319.685,19
Mulungu
11.101.639,43
11.750.187,70
12.850.280,82
13.745.653,80
Nova Olinda
14.722.400,58
15.802.023,29
17.292.941,24
18.568.038,79
Nova Russas
26.267.655,63
28.361.145,87
30.635.457,88
33.116.635,92
Novo Oriente
25.572.636,51
27.152.122,07
29.747.651,16
32.896.728,20
Ocara
23.476.481,91
25.040.992,31
27.346.802,90
29.443.222,33
Orós
18.668.207,44
20.057.050,18
22.669.149,72
24.997.543,81
Pacajus
47.110.464,41
52.103.252,99
57.299.733,39
62.022.285,79
Pacatuba
43.691.957,29
48.582.631,94
53.103.666,08
57.602.252,59
Pacoti
12.051.989,91
12.745.364,66
14.153.599,36
15.109.806,24
Pacujá
8.189.628,39
8.465.063,39
9.289.754,13
10.262.668,63
Palhano
8.359.208,16
9.179.220,91
10.241.109,93
11.086.717,63
Palmácia
11.573.905,08
12.262.480,50
13.272.425,31
14.374.986,67
Paracuru
31.381.143,34
32.760.078,39
35.100.251,28
38.173.622,14
Paraipaba
26.464.520,72
29.618.376,08
32.835.422,19
35.582.958,48
Parambu
31.855.026,57
32.552.337,42
34.904.916,21
37.668.695,76
Paramoti
14.244.237,61
15.419.885,60
16.221.301,47
17.202.718,89
Pedra Branca
36.182.281,20
39.348.673,48
42.115.307,16
44.299.031,04
Penaforte
9.848.765,75
10.383.154,73
11.217.991,84
12.766.789,15
Pentecoste
30.619.177,90
32.418.048,20
35.461.294,07
37.502.064,84
Pereiro
17.516.118,66
18.925.286,62
20.358.525,71
21.598.855,81
Pindoretama
18.418.211,87
19.604.455,60
22.803.637,24
25.302.720,06
Piquet Carneiro
12.881.994,70
14.874.992,42
16.394.816,24
17.595.435,97
Pires Ferreira
12.019.442,11
12.927.291,57
14.095.714,77
14.783.511,42
Poranga
12.564.489,22
13.562.282,12
15.691.220,89
16.248.323,28
Porteiras
17.112.624,32
18.249.179,01
19.828.788,02
21.700.689,27
Potengi
11.974.099,61
12.577.344,24
13.455.463,76
14.189.727,16
Potiretama
8.365.907,01
8.905.251,49
9.555.447,06
10.183.433,83
Quiterianópolis
20.379.532,18
21.423.011,15
22.252.497,56
24.724.336,82
Quixadá
52.056.153,39
57.064.705,42
63.393.026,45
69.258.372,91
Quixelô
15.752.614,10
17.159.104,43
18.564.141,75
20.117.233,12
Quixeramobim
54.978.618,96
61.796.778,23
68.627.307,09
75.293.758,54
Quixeré
18.427.044,51
19.377.270,58
21.233.201,11
23.368.846,36
Redenção
25.185.512,78
26.963.814,77
29.240.025,11
31.019.213,83
Reriutaba
19.008.048,61
20.372.186,73
22.574.951,84
23.959.400,21
Russas
49.791.853,82
55.348.848,76
60.173.887,69
66.189.750,18
Saboeiro
16.567.137,67
17.897.527,24
19.203.620,95
20.694.059,20
Salitre
19.149.813,00
20.929.430,69
23.073.840,58
24.837.884,86
Santa Quitéria
36.557.312,30
39.753.174,13
43.090.532,00
45.076.571,83
Santana do Acaraú
26.892.390,30
28.771.925,18
33.271.452,84
35.773.460,42
Santana do Cariri
19.718.825,55
21.345.544,33
22.870.062,30
24.073.359,37
São Benedito
38.443.260,92
41.818.298,43
45.115.389,14
50.743.804,25
São Gonçalo do Amarante
37.489.294,03
41.381.666,34
44.799.535,44
50.176.302,04
São João do Jaguaribe
7.951.783,92
8.420.463,99
9.247.078,15
9.949.299,98

São Luís do Curu
12.350.408,78
13.176.778,43
14.583.877,67
15.801.019,95
Senador Pompeu
21.676.992,91
22.949.489,14
24.656.365,31
25.835.186,71
Senador Sá
9.044.949,56
9.655.850,46
10.406.655,51
11.063.927,38
Sobral
137.538.177,68
140.554.939,89
152.260.419,09
168.496.528,38
Solonópole
16.889.437,66
17.815.317,71
19.402.730,80
20.724.190,57
Tabuleiro do Norte
21.041.933,16
23.097.248,54
25.315.062,23
27.787.310,24
Tamboril
24.812.720,07
26.174.452,55
28.366.481,00
31.133.477,66
Tarrafas
9.818.758,70
10.177.154,93
11.011.308,73
11.767.598,48
Tauá
49.375.083,85
53.693.461,99
59.272.382,93
63.838.233,36
Tejuçuoca
20.538.239,89
21.680.618,23
24.081.635,71
25.697.734,50
Tianguá
55.170.937,81
60.099.687,17
68.819.801,77
75.065.892,63
Trairi
43.624.302,05
45.826.816,97
49.786.074,80
54.864.338,89
Tururu
16.588.718,33
18.005.060,10
19.384.371,88
20.666.849,11
Ubajara
28.860.628,86
30.775.175,88
34.000.278,36
36.607.556,29
Umari
8.256.770,14
8.855.833,25
9.752.029,06
10.383.135,37
Umirim
19.272.086,99
20.229.651,68
22.586.083,74
24.158.035,67
Uruburetama
20.792.343,02
22.783.692,72
24.700.470,82
26.897.761,90
Uruoca
14.038.909,71
14.886.152,18
16.311.138,79
17.539.574,12
Varjota
18.606.400,71
20.012.639,84
22.347.362,29
23.903.603,90
Várzea Alegre
30.829.385,24
33.010.507,18
35.808.519,26
38.559.939,09
Viçosa do Ceará
49.808.337,43
54.076.395,85
60.169.124,74
66.454.327,22
Pesquisa de Dados: Khayyam Perseu
Organização: Dra. Mara Paula – Coordenação e interpretação de dados: Dr. Valdecy Alves

Related Posts with Thumbnails